Brendan Hoffman/The New York Times
Brendan Hoffman/The New York Times
Maria Varenikova e Andrew E. Kramer, The New York Times- Life/Style

30 de dezembro de 2020 | 05h00

KHOMUTYNSI, UCRÂNIA – Valery Kravchuk, experiente colhedor de cogumelos, empurrou algumas folhas mortas, e aí estava o seu prêmio: um maravilhoso amanita, em inglês ‘blusher’ (que enrubesce, porque fica vermelho ao ser tocado). “Os cogumelos me atraem como ímãs”, disse. “Eu posso senti-los”.

Os ucranianos pegaram o carro, se embrenharam em estradas campestres, e então penetraram a pé na floresta para se dedicarem ao passatempo mais socialmente distanciado do mundo: apanhar cogumelos. Por sorte, a safra foi enorme em um ano em que a coleta continua sendo uma das poucas atividades para os que querem sair de casa evitando outras pessoas.

Os biólogos ucranianos atribuem o fenômeno deste outono [no hemisfério norte] a um verão seco, seguido por um outono inusitadamente quente e, então, a primeira geada, bem no final de novembro.

“É espantoso”, disse Emilia Koleda, apanhadora profissional postada na beira de uma rodovia perto de Kiev, a capital. Ao seu lado estavam sete baldes de cogumelo boletus, um petisco tardio de fim de estação, que, como contou, conseguiu em uma única excursão na floresta. Nos outros anos, três baldes já representavam um bom dia de trabalho.

A safra de cogumelos constitui um momento feliz em um país pobre, em que os cogumelos são um alimento básico para algumas famílias, enquanto permitem que outras suplementem a renda vendendo-os. Segundo Koleda, não há outras possibilidades de ganhar dinheiro por causa dos fechamentos. Com o que ela ganhou, comprou lenha para se aquecer no inverno e para o material de escola dos filhos. “Os cogumelos salvaram muitas pessoas este ano”, acrescentou. “A natureza nos ajudou na quarentena”.

Na Ucrânia, uma fila de carros estacionados na beira da estrada, no meio do nada, é o sinal de que os apanhadores estão à procura da iguaria, caminhando silenciosamente entre as árvores, munidos de pequenas facas para colher os cogumelos. “É a minha maneira de estar em contato com a natureza,” disse Andriy Hrybovskyi, cujo sobrenome significa justamente cogumelo, o que indica que esta atividade tem profundas raízes na Ucrânia. Ele conhece alguns lugares na floresta que pode visitar depois do trabalho, onde respira ar puro e ao mesmo tempo encontra comida para o jantar.

O conhecimento dos lugares na floresta onde os cogumelos crescem é a moeda corrente dos apanhadores, tanto os profissionais quanto os amadores, e este conhecimento é um segredo muito bem guardado. Quando as pessoas pedem indicações sobre os lugares ao polido apanhador ucraniano, a etiqueta manda que ele dê indicações fictícias, a fim de não parecer rude, e na realidade, jamais revelar onde os cogumelos se encontram de fato.

Alguns ucranianos que começaram a descobrir os lugares nos mapas do Google são considerados destruidores da tradição. Muitas famílias têm um degustador especial, em geral alguém profundamente versado nas várias espécies e que sabe quais evitar. Ele degusta a safra um dia antes de todo mundo, apenas para ter certeza.

Trata-se de uma tradição sinistra, mas necessária. Viktoria Ganzha, de Poltava, na Ucrânia oriental, que testa para a família, andou ocupada este ano. Ela descreveu o seu papel como o de um sapador, o primeiro a entrar em um campo minado. “Eu sou o soldado que desativa a mina para garantir a segurança”, ela disse.

O governo ucraniano informou que houve um aumento do número de envenenamentos este ano, a desvantagem de um ano de boa safra. Em meados de novembro, 289 pessoas foram envenenadas e 11 morreram, segundo dados oficiais. As autoridades monitoram cuidadosamente outro perigo na Ucrânia, os cogumelos radioativos colhidos na região ao redor de Chernobyl.

A coleta nesta zona é proibida, mas os cogumelos que brotaram em Chernobyl fascinaram os ucranianos por casa das anedotas sobre cogumelos descomunais, que se coadunam com o estereótipo sobre os efeitos da radiação em um ano de cogumelos excelentes. A polícia prendeu um grupo de homens que contrabandearam cerca de 60 quilos de cogumelos da zona de Chernobyl. Apanhadores profissionais também estão encontrando uma abundância dos comuns cogumelos venenosos este ano.

Viktor Klimov, um apanhador profissional nas florestas de pinheiros do norte da Ucrânia, é especialista em cogumelos venenosos. Os estereotipados vermelhos bolinhas brancas, como os dos desenhos, são venenosos, mas acredita-se que tenham propriedades medicinais em doses bem pequenas, como o fortalecimento do sistema imunitário. Secos, eles são muito procurados. “Nunca vi tantos venenosos em toda a minha vida”, comentou Klimov sobre a temporada deste ano. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

The New York Times Licensing Group - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito do The New York Times

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.