Malin Fezehai/The New York Times
Malin Fezehai/The New York Times

Um vilarejo na Ásia onde a limpeza é o maior atrativo

A cidade indiana de Khasi Oriental se destaca em um país que luta para melhorar suas condições sanitárias

Malin Fezehai, The New York Times

07 Setembro 2018 | 15h45

Nas verdejantes colinas de Khasi Oriental, no estado de Meghalaya, jaz o limpíssimo vilarejo de Mawlynnong. O verde da topografia e o azul dos poços d'água servem como cenário para 500 residentes, número que aumenta durante a alta temporada, com algumas centenas de visitantes por dia.

Com as principais cidades indianas afetadas por uma crescente crise de abastecimento de água, o primeiro ministro Narendra Modi apontou os holofotes para este vilarejo, indicando Mawlynnong como um modelo para o restante do país num discurso transmitido pelo rádio em 2015. "Fiquei feliz em saber que existe em nosso país um vilarejo como este no nordeste, em Meghalaya, que há anos leva a cabo a missão da limpeza", disse ele.

O local é usado na promoção da campanha "Missão Índia Limpa", que busca melhorar as condições sanitárias do país já em 2019. Uma das metas da campanha é aumentar o uso de vasos sanitários no interior da Índia. Em Mawlynnong, todos os lares têm saneamento básico.

Hoje, Mawlynnong convive com as bênçãos e as maldições do turismo enquanto tenta preservar a essência do vilarejo, protegendo o principal motivo que atrai os visitantes.

Laphrang Khong Thohrem, 62 anos, e outros membros do conselho do vilarejo e da comunidade local se reuniram para enfrentar os problemas trazidos pela chegada de um grande número de visitantes. A solução: as ruas são varridas diariamente pelos aldeões, latas de lixo feitas de bambu foram colocadas em cada esquina e o lixo é levado a composteiras, produzindo adubo para a agricultura dos moradores.

"Nossos avós e os avós de nossos avós tinham hábitos higiênicos. Naquela época ninguém imaginava que o vilarejo se transformaria numa atração turística", disse Thohrem.

A maioria daqueles que vivem em Mawlynnong é da etnia Khasi, parte de uma das mais antigas tribos matriarcais do mundo (as crianças recebem o nome da mãe, e as mães transmitem sua propriedade para as filhas mais velhas como herança).

A jardinagem é uma parte integral das tradições da aldeia. Ao entrar no vilarejo, os visitantes se deparam com uma placa que diz "Bem-vindos a Mawlynnong (Jardim de Deus)", e cada casa é adornada com maravilhosos jardins particulares.

Quando foi construída uma estrada ligando o vilarejo ao mundo exterior, em 2000, alguns moradores hesitaram em receber forasteiros. Mas com a publicidade recebida e a possibilidade de lucro, mais moradores passaram a oferecer serviços aos turistas, de acordo com Lormary Khonglament, 60 anos, cujo filho administra uma pousada.

Banjopthiaw Kharrymba, 32 anos, presidente do conselho da aldeia, disse que os moradores ainda "enfeitam" o vilarejo com o plantio de flores. "Agora fomos chamados de vilarejo mais limpo da Ásia, e sabemos que ainda podemos melhorar, até que um dia nossa aldeia seja a mais limpa do mundo".

Thohrem contou que a melhor coisa a respeito de Mawlynnong é a comunidade de moradores. "Eles são solícitos e gostam de cooperar", disse. Quando o conselho da aldeia faz solicitações, a comunidade as atende. "Sem pessoas assim, seria impossível criar um vilarejo como este".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.