Hilda Rios/EPA, via Shutterstock
Hilda Rios/EPA, via Shutterstock

Luminosidade excessiva das cidades dificulta acasalamento de vaga-lumes

Perda de habitat e pesticidas ameaçam populações de vaga-lume, revela um novo estudo

Shola Lawal, The New York Times

14 de fevereiro de 2020 | 06h00

Tempos difíceis estes para os vaga-lumes. Como outros insetos, eles estão sofrendo por causa da perda do seu habitat, dos pesticidas e da poluição. Mas eles têm também outro problema peculiar das espécies luminescentes: está cada vez mais difícil para eles se reproduzirem por que a poluição da luz ofusca os seus sinais para o acasalamento.

Os machos emitem luz para indicar a sua disponibilidade e as fêmeas respondem com flashes especiais para mostrar que estão prontas. Entretanto, a luz brilhante dos luminosos, da iluminação pública e das casas interfere e bloqueia a possível conjunção. E o problema pode se estender além das grandes cidades: a luz brilhante se difunde na atmosfera e pode refletir-se nas florestas. Além disso, interrompe o padrão da alimentação das fêmeas de algumas espécies  que brilham para atrair os machos e devorá-los.

A descoberta faz parte de um estudo publicado na revista BioScience. O estudo de autoria de pesquisadores da Tufts University de Massachusetts e da International Union for Conservation of Nature, sediada na Suíça, adverte que os vaga-lumes pode estar em vias de extinção em todo o globo em razão de múltiplas ameaças, como a poluição criada pela luz e a perda do habitat, bem como a degradação do habitat pela ação de pesticidas e da poluição química.

Muitos insetos são afetados pela perda do seu habitat, mas a situação dos vaga-lumes é pior, segundo Sara M. Lewis, professora de biologia da Tafts University e pesquisadora principal. “Alguns sofrem particularmente quando o seu habitat desaparece porque necessitam de condições especiais para completar o seu ciclo de vida”, ela disse.

Os vaga-lumes são um tipo de besouro. Existem mais de duas mil espécies, encontradas principalmente em áreas pantanosas. Mas as florestas de mangues estão desaparecendo para dar lugar a culturas lucrativas como a do óleo de palma. Insetos como os vaga-lumes em geral são fundamentais para os seus ecossistemas. O seu desaparecimento poderia instaurar o caos nas redes de alimentação particularmente para os pássaros e outros animais para os quais servem de alimento.

“Os insetos prestam uma variedade de serviços”, disse John Losey, professor da Cornell University em Nova York, que não participou do estudo. “Eles são predadores e nos ajudam a suprimir as populações de pragas, ou são polinizadores e nos ajudam a produzir o alimento de que necessitamos”.

As implicações são também intangíveis: todo mundo, praticamente, gosta dos vaga-lumes. Em alguns países, como a Coreia do Sul e o México, eles constituem atrações para o ecoturismo. Pesquisadores supervisionaram atualmente alguns especialistas na América do Norte e Central, na Europa e na Ásia.

No Japão, os sistemas das terras de cultivo e os alagados, chamados satoyama, onde os vaga-lumes são particularmente numerosos, estão desaparecendo à medida que aumenta a migração da população para as cidades, abandonando a agricultura tradicional. Na região central da Inglaterra, secas e inundações exacerbadas pela mudança climática, são algumas das principais ameaças.

Na Malásia, é o desmatamento dos mangues. O estudo não estabeleceu um prazo para o declínio dos vaga-lumes, mas Michael Reed, professor de biologia da Tufts e coautor do estudo, disse que “o desaparecimento destes insetos ocorre de maneira persistente”. / TRADUÇÃO DE ANNA CAPOVILLA

Tudo o que sabemos sobre:
Vagalumeiluminação pública

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.