52 mil soldados dos EUA ainda permanecem no Iraque, diz Exército

2 mil deixarão o país até fim do mês; 50 mil irão permanecer para iniciar operação 'Novo Amanhecer'

estadão.com.br,

19 de agosto de 2010 | 18h27

Soldados americanos se preparam para cruzar a fronteira com o Kuwait em 15/08

 

WASHINGTON- O Exército americano anunciou nesta quinta-feira, 19, que o número de militares americanos que permanecem no Iraque é de 52.000. Destes, 2.000 deixarão o Iraque até o fim do mês, e os 50.000 restantes darão início à operação "Novo Amanhecer", na qual participarão em tarefas de estabilidade, assessoramento, formação e apoio às forças de segurança iraquianas.

 

Veja também:

linkCivis assumirão operações no Iraque

 

O Departamento de Estado prevê duplicar o número de agentes de segurança particulares no Iraque após a retirada do país, usando entre 6.000 e 7.000 subcontratados, informou hoje o jornal The New York Times.

 

Na medida em que os EUA se preparam para retirar completamente suas tropas do Iraque até o fim de 2011, o governo está desenvolvendo um esforço civil que dependerá de um pequeno exército de subcontratados para substituir os militares.

 

Suas principais funções serão garantir a segurança dos cinco complexos diplomáticos dos EUA no Iraque, prevenindo ataques por meio de radares, detectar artefatos explosivos, realizar voos não tripulados de reconhecimento com os chamados "drones" e formar equipes de resposta rápida para ajudar civis em perigo.

 

O Departamento de Estado assumirá em outubro de 2011 a responsabilidade de treinar a polícia iraquiana, tarefa que será executada pelos agentes particulares.

 

Sem a presença dos soldados para reduzir as tensões sectárias no norte do Iraque, serão os diplomatas americanos - mobilizados em dois novos consulados e dois escritórios temporários dependentes da Embaixada - que terão de prevenir potenciais confrontos, segundo o NYT.

 

Nos últimos 18 meses, mais de 90 mil soldados americanos deixaram o país do Oriente Médio e, segundo o presidente Barack Obama, sob um acordo com o governo iraquiano, "todas as tropas estarão fora do Iraque até o fim do ano que vem".

 

A "Operação Liberdade Iraque" começou em 20 de março de 2003 durante a presidência de George W. Bush, que concluiu que o regime do ditador Saddam Hussein tinha armas de destruição em massa que representavam uma ameaça para o Ocidente. Hussein foi derrubado e executado, mas tais armas nunca foram encontradas.

 

Desde então, o país mergulhou em um espiral de violência. A ONG Iraq Body Count, com sede na Alemanha, calcula que entre 97.000 e 106.000 iraquianos morreram desde o início da invasão americana.

 

Segundo o Departamento de Defesa, houve 4.419 baixas militares americanas desde o início da guerra.

Tudo o que sabemos sobre:
IraqueguerraEUAsoldadosExército

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.