Lior Mizrahi/Reuters
Lior Mizrahi/Reuters

Abbas ameaça deixar negociações caso Israel retome construção de colônias

Segundo alto funcionário palestino, Netanyahu não quer estender moratória sobre assentamentos

estadão.com.br,

15 de setembro de 2010 | 18h05

RAMALLAH- O presidente da Autoridade Palestina Mahmoud Abbas ameaçou nesta quarta-feira, 15, abandonar as negociações de paz com o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu caso Israel retomar a construção de colônias em territórios ocupados, informou um alto responsável palestino. As informações são da agência de notícias AFP.

 

Veja também:

especialInfográfico: As fronteiras da guerra no Oriente Médio

especialLinha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

 

Segundo o funcionário, que pediu anonimato, Netanyahu confirmou a Abbas durante as conversações de hoje em Jerusalém que a construção nos assentamentos judeus "continuará".

 

De acordo com a fonte, Abbas respondeu: "se a colonização prosseguir, acabarei com as negociações". Na reunião, também estiveram presentes a secretária de Estado norte-americana, Hillary Clinton, e o enviado especial dos EUA para o Oriente Médio, George Mitchell.

 

A extensão da moratória, que acaba no dia 26 de setembro e exclui as colônias de Jerusalém Oriental, é, atualmente, o principal empecilho nas negociações.

 

Netanyahu se nega a prorrogar o prazo (como pede a comunidade internacional) apesar de os palestinos garantirem que abandonarão os diálogos se o ritmo anterior de colonização for retomado.

 

 Por essa razão, Mitchell busca com urgência uma solução de compromisso com a qual ambas as partes possam entrar em acordo.

 

As declarações de Abbas contrastam com o otimismo dos americanos. "Continuamos, no marco de nossos esforços, a fazer progressos sobre esse tema", disse Mitchell, referindo-se às colônias.

 

"Os dois líderes não estão deixando os temas difíceis para o final", destacou o enviado americano em coletiva de imprensa após o encontro. Segundo o mediador, isso indica que "a paz é possível e os dois líderes desejam alcançar um acordo".

 

Segundo o responsável palestino, Abbas deu prioridade ao tema do traçado das fronteiras do futuro Estado palestino e Netanyahu, às medidas para garantir a segurança de Israel.

 

Este foi o primeiro encontro de Abbas e Netanyahu na cidade e o terceiro em dois dias, após a reunião de ontem na cidade egípcia de Sharm El Sheik. Na ocasião, Hillary pediu a Netanyahu que prorrogasse a moratória sobre a construção de novos assentamentos.

 

Mitchell adiantou que os dois lados se encontrarão novamente na semana que vem, mas não informou a data e o local.

 

Protestos e ataques

 

Enquanto os dois líderes se reuniam, o Conselho Yesha, que representa os colonos judeus na Cisjordânia, fez um protesto para recordar Netanyahu sobre sua promessa de não prorrogar a moratória sobre as construções de assentamentos.

 

Também ocorreram ataques em Gaza, nos quais militantes palestinos lançaram nove morteiros contra o sul de Israel. Em resposta, a Força Aérea israelense bombardeou a faixa, deixando um palestino morto e dois feridos.

 

As negociações diretas estavam paralisadas há mais de um ano e meio e sua retomada foi anunciada no início do mês. Palestinos e israelenses devem entrar em acordo no prazo máximo de um ano.

 

Atualizado às 19h51 para acréscimo de informações

 

Com Efe

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.