Reuters - 22/09/2009
Reuters - 22/09/2009

Abbas considera governo de Netanyahu um obstáculo para paz

Presidente da autoridade palestina disse que premiê israelense insiste em construir nos assentamentos

Efe,

24 de setembro de 2009 | 10h42

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, afirmou que o governo do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, é um "verdadeiro problema" para alcançar a paz no Oriente Médio, pois falta um "espaço de entendimento" para negociar.

 

"A construção nos assentamentos continua e Netanyahu declara que Jerusalém e o retorno dos refugiados palestinos não estão sujeitos a negociação. Portanto, de que é preciso falar?", perguntou Abbas, em entrevista ao jornal em árabe Al-Hayat, editado em Londres.

 

Abbas fez estas declarações após se reunir com Netanyahu e o presidente americano, Barack Obama, na terça-feira, 22, em Nova York, pela primeira vez desde que o político israelense chegou ao poder, em março.

 

O presidente da ANP contou que rejeitou uma oferta israelense de interrupção parcial da construção nas colônias judaicas, porque violava as obrigações do Estado judeu no Mapa do Caminho - plano de paz lançado em 2003 pelo Quarteto de Madri - formado por ONU, EUA, União Europeia e Rússia.

 

Na reunião, Abbas insistiu que as negociações de paz deveriam ser retomadas de onde pararam com o último primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, no final de 2008, quando os palestinos as abandonaram em protesto contra uma ofensiva israelense na Faixa de Gaza que causou a morte de cerca de 1,4 mil palestinos.

 

Abbas explicou que esse diálogo, lançado em Annapolis, nos EUA, em novembro de 2007, fracassou em seu objetivo de fechar um acordo de paz até janeiro de 2009, mas gerou avanços que devem servir agora como ponto de partida. "As duas partes delinearam mapas e propostas de troca territorial e, portanto, não podemos começar do zero", disse.

 

Nesta quarta-feira, 23, o jornal Al Ayam, editado em Ramala, publicou que Abbas transmitiu a Obama que a ANP não impõe condições à retomada do processo de paz, mas que é "inaceitável" que "a parte israelense não respeite suas obrigações do Mapa do Caminho".

 

Obama respondeu a seu interlocutor que os EUA mantêm sua oposição à construção nos assentamentos, mas que nada deve atrasar o início das conversas de paz.

 

Abbas insistiu em que, antes de começar o diálogo, seja definida a interrupção da construção nas colônias israelenses e que a base do processo de paz seja a retirada israelense às fronteiras prévias à Guerra dos Seis Dias de 1967, quando Gaza, Cisjordânia e Jerusalém Oriental foram ocupadas.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.