Abbas diz que ações de Israel são 'mais do que o Holocausto'

Líder palestino chama ofensiva do governo israelense contra Gaza de "inacreditável, terrível e espantosa"

Agências internacionais,

01 de março de 2008 | 11h24

O presidente da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, afirmou neste sábado, 1, que a ofensiva de  Israel contra a Faixa de Gaza é "inacreditável" e disse que está acontecendo "mais do que um Holocausto" na região, em referência aos comentários feitos na sexta-feira pelo vice-ministro da Defesa, Matan Vilnai. Vilnai disse que os palestinos poderiam enfrentar um "sloah" se os ataques com foguete não cessassem. Depois, afirmou que quis dizer com isso "desastre" em vez de "Holocausto", este último o significado mais comum da palavra. Veja também:Veja as imagens   Ataques de Israel à Faixa de Gaza deixam mais de 50 mortos Análise: Hamas delira, e o governo de Israel expõe sua fraquezaMinistro israelense fala em lançar "holocausto" sobre Gaza  Desde a declaração, operações israelenses mataram pelo menos 33 palestinos em sua mais mortífera e ampla incursão na Faixa de Gaza desde a retirada, em 2005, alimentando temores de que um conflito maior possa tirar dos trilhos as recentes conversas de paz patrocinadas pelos EUA. Pelo menos 63 palestinos foram mortos em quatro dias de intensos ataques aéreos e incursões israelenses no pequeno território controlado pelo Hamas, casa de 1,5 milhão de pessoas e que fica espremido entre Israel, Egito e o Mediterrâneo. "Desgraçadamente, Israel emprega nestes dias um termo evitado há mais de 60 anos, e é este termo "Holocausto". O que acontece em Gaza é mais do que um Holocausto", disse Abbas durante um discurso em Ramallah. O líder exilado do Hamas Khaled Mashaal afirmou ainda que o ataque israelense contra os civis em Gaza é "o verdadeiro Holocausto". Abbas afirmou ainda que a reação israelense aos foguetes lançados pelos palestinos do Hamas é "impensável", "terrível e espantosa", além de ser dirigida contra "inocentes, mulheres, crianças e idosos". "Pedimos ao mundo que olhe com seus próprios olhos e julguem o que está acontecendo e quem está recorrendo ao terrorismo internacional".  Líderes palestinos ameaçam encerrar as negociações por um acordo de paz com Israel. Segundo o negociador palestino Ahmed Qureia, a liderança do grupo, incluindo Abbas, recomendaram a suspensão das conversas. "O que está acontecendo em Gaza é um massacre de civis, mulheres e crianças, uma matança coletiva, genocídio". A onda de violência envolvendo forças israelenses e o Hamas começou na quarta-feira pela manhã, quando a Força Aérea israelense bombardeou um veículo em que estavam cinco militantes do braço armado do Hamas, Iz Adin El Kassam. O Hamas iniciou então o que a imprensa israelense definiu como "uma chuva de foguetes" contra o sul do país. Ao todo, o Hamas lançou na quarta-feira 50 foguetes - um número sem precedentes -, que atingiram principalmente a cidade de Sderot.

Tudo o que sabemos sobre:
HamasGazaIsraelpalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.