Atef Safadi/Reuters
Atef Safadi/Reuters

Abbas está decidido a negociar 'uma oportunidade para a paz'

Líder palestinos diz que buscará acordo com israelenses mesmo que haja 'apenas 1% de chance'

Efe

26 de agosto de 2010 | 14h47

JERUSALÉM - O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, expressou nesta quinta-feira, 26, sua determinação de participar das negociações de Washington em 2 de setembro porque "deseja a paz com os vizinhos" israelenses.

 

Veja também:

forum Enquete: Qual a melhor solução para o conflito?

especial Linha do tempo: Idas e vindas das negociações de paz

 

"Se há 1% de possibilidade de alcançar a paz, vou atrás disso. Estou convencido porque desejamos a paz com os nossos vizinhos", disse Abbas em um comício com dirigentes políticos palestinos com o qual rompeu o jejum diário do Ramadã.

 

Segundo o líder da ANP, que é plenamente consciente da oposição que desperta sua viagem a Washington para iniciar negociações diretas com Israel, chega "com o desejo nacional palestino" sob o braço, porque "queremos a paz não importa quão limitadas sejam as esperanças", informa a agência palestina Maan.

 

Em seu discurso, Abbas não comentou sobre a oposição que expressaram diversos grupos de esquerda, inclusive de dentro da Organização para a Libertação da Palestina (OLP), pelo qual os EUA não condicionaram o diálogo à cessação da construção nos territórios palestinos ocupados.

 

"Nós como palestinos não estamos em posição de impor condições prévias e lugar algum tem o direito de impor antes do início das negociações diretas", explicou Abbas.

 

As negociações diretas estavam condicionadas até agora pelos palestinos que se negavam a sentar à mesa sem que Israel cessasse as construções nos assentamentos judaicos, condição que em teoria não foi retirada, mas que também não faz parte da fórmula prevista por Washington, pelo menos não publicamente.

 

Meios de imprensa americanos disseram nos últimos dias que os EUA exigiram que Israel não "surpreendesse" com a anulação do congelamento que rege na construção dos assentamentos há nove meses e que concluirá em 26 de setembro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.