Abbas pede ajuda; Liga Árabe convoca reunião de urgência

Organização também pediu ao Conselho da ONU para adotar medidas a fim de conter os ataques israelenses

EFE

27 de dezembro de 2008 | 12h21

A Liga Árabe condenou neste sábado, 27, o bombardeio israelense sobre a Faixa de Gaza e convocou uma reunião de urgência de seus ministros de Exteriores para a próxima segunda-feira, a fim de falar sobre o ataque, que deixou dezenas de mortos. Mais cedo, o  presidente palestino Mahmoud Abbas anunciou ter iniciado uma série de "contatos urgentes" com diversos países para deter os bombardeios israelenses. "Iniciamos contatos urgentes com vários países árabes e outros para cessar a agressão e os massacres na Faixa de Gaza", disse Abas por telefone à agência de notícias AFP.   Veja também: Total de mortos por Israel em Gaza já chega a 205 Conheça a história do conflito entre Israel e palestinos Olmert diz que operação em Gaza pode levar 'mais tempo' Europa pede fim dos ataques; EUA culpam Hamas  Reação palestina mata israelense; Hamas promete resistência Irã enviará navio com ajuda para Gaza, diz TV estatal Veja imagens de Gaza após os ataques        A organização também pediu ao Conselho de Segurança da ONU para adotar medidas a fim de conter os ataques israelenses sobre a Faixa de Gaza e proteger os palestinos, segundo a agência de notícias governamental egípcia Mena.   O assistente do secretário-geral da Liga Árabe para assuntos palestinos, Mohamad Subeih, pediu aos palestinos que deixem de lado suas disputas e permaneçam unidos, e solicitou aos Estados árabes uma postura unificada frente aos "crimes" de Israel.   Os Governos da Jordânia e dos Emirados Árabes Unidos (EAU) já condenaram o ataque, enquanto o Egito decidiu abrir a passagem de Rafah, na fronteira com Gaza, para evacuar os feridos, e mandou 30 ambulâncias ao território palestino para transferir as vítimas a hospitais egípcios.   Centenas de sindicalistas jordanianos foram às ruas para protestar contra o bombardeio, e gritaram palavras de ordem contra o papel de mediação do Egito no conflito palestino-israelense, e contra o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas.   Segundo agências internacionais, pelo menos 155 pessoas morreram e várias centenas ficaram feridas devido ao bombardeio realizado hoje pelo Exército israelense em Gaza, onde as equipes de socorro trabalham para resgatar as vítimas presas sob os escmbros.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelPalestinaataques

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.