Abbas pede total desarmamento de palestinos no Líbano

Líder palestino diz que não deve haver resistência e que governo deve ser o único responsável pela segurança

Efe,

12 de março de 2010 | 10h12

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, pediu nesta sexta-feira, 12, o total desarmamento dos palestinos no Líbano, por considerar que o porte de armas por refugiados atenta contra a soberania libanesa, informa o jornal L'Orient-Le Jour.

 

"Rejeitamos de modo categórico uma terceira resistência armada. Chegou a hora de acabarmos com as pequenas ilhotas. O governo libanês deve ser o único responsável pela segurança de seu povo", afirmou Abbas em uma entrevista transmitida na noite de quinta pelo canal libanês Future News e reproduzida pela publicação.

 

O líder palestino se referiu a um acordo de 1969, a partir do qual ficou definido que o Exército libanês não pode entrar nos campos de refugiados, cuja segurança é administrada pelos próprios palestinos.

 

"A situação nos campos palestinos é explosiva. A qualquer momento pode nascer um novo Nahr al-Bared", acrescentou Abbas, fazendo alusão ao campo de refugiados palestinos localizado no norte do Líbano, onde, em 2007, foi registrado um violento confronto de três meses entre o Exército libanês e um grupo radical.

 

A declaração do presidente da ANP coincide com o relatório anual dos EUA sobre a situação dos direitos humanos no mundo. No documento, os americanos criticam o Estado libanês por não desarmar as milícias armadas. O estudo diz ainda que os campos de refugiados palestinos continuam se comportando como "entidades que se autogovernam, mantendo milícias e forças de segurança próprias, que escapam à autoridade do Estado".

Tudo o que sabemos sobre:
LíbanoPalestinasegurançaAbbasANP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.