Abbas pede US$ 5,5 bi para reformas na Cisjordânia e em Gaza

Pedido será discutido em Paris, em duas semanas, por representantes de 90 países e organizações internacionais

EFE

02 de dezembro de 2007 | 06h09

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, pediu aos países que contribuem financeiramente com sua organização uma doação de US$ 5,5 bilhões para um plano de reformas na Cisjordânia e Gaza, informou neste domingo a rádio pública israelense. O pedido será discutido em Paris, dentro de duas semanas, por representantes de 90 países e organizações internacionais que se reunirão para fornecer respaldo econômico ao acordo alcançado em Annapolis (Estados Unidos) a fim de retomar o processo de paz entre palestinos e israelenses. Segundo a emissora israelense, Abbas e seu primeiro-ministro, Salam Fayyad, receberam do enviado do "Quarteto de Madri", o ex-premier do Reino Unido Tony Blair, promessas de que a ANP terá uma soma importante de dinheiro para seu plano de reformas. O projeto para a Cisjordânia e a Faixa de Gaza já foi elaborado, terá uma duração de três anos e um de seus principais objetivos é proporcionar uma "injeção" de dinheiro em sua economia. Cerca de US$ 1,5 bilhão serviriam para cobrir o déficit fiscal da ANP, e outros US$ 350 milhões para reformar seus organismos de segurança; o restante do dinheiro seria empregado no financiamento de obras de desenvolvimento. Na Conferência de Paz de Annapolis, em Maryland, Abbas e o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, comprometeram-se a retomar as estagnadas negociações de paz, o que está previsto para o próximo dia 12. Olmert e os ministros israelenses de Exteriores, Tzipi Livni, e de Defesa, Ehud Barak, informarão neste domingo a seus colegas no Gabinete Nacional sobre essa Conferência e seus resultados. O executor do plano geral palestino que será exposto na conferência de Paris será o ministro do Planejamento da ANP, Samir Abdallah, acrescentou a emissora israelense.

Tudo o que sabemos sobre:
CisjordâniaGazaAbbasANP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.