Abbas reza com três dirigentes do movimento islâmico Hamas

Presidente palestino encontra líderes do Hamas pela primeira vez após tomada de Gaza pelo movimento islâmico

Efe e Associated Press,

02 de novembro de 2007 | 13h37

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, rezou nesta sexta-feira, 2, em Ramala, com três dirigentes do movimento Hamas, quatro meses após o grupo islâmico tomar o território da Faixa de Gaza.   Em uma breve conversa, Abbas reiterou que não negociará com os islamitas enquanto não cederem de volta à ANP o controle do território. O presidente cumprimentou os três dirigentes e teve uma breve troca de palavras com eles, segundo imagens de uma televisão palestina.   Essa é a primeira vez que o presidente palestino e líderes do Hamas se encontram em um mesmo local desde que o movimento islâmico assumiu o controle de Gaza, terminando com um acordo de paz negociado com o Fatah, meses antes.   O presidente Mahmoud Abbas dissolveu em junho o gabinete de unidade nacional que havia sido formado pelas duas facções. Isso levou EUA e Israel a atenuarem as sanções à Cisjordânia, que continua sob comando da Fatah, e incentivou Washington a convocar uma conferência de paz para novembro.   Nesta sexta, Israel declarou que poderia suspender os diálogos de paz com os palestinos se Abbas reabrir negociações com o Hamas. Segundo o porta-voz da ANP, Nabil Abu Rudeina, o presidente reiterou a seus interlocutores que não tem nenhum problema com o Hamas, mas com "um pequeno grupo que se rebelou contra a legitimidade".   Um assessor do presidente palestino minimizou a importância do encontro. "É uma mesquita, não podemos proibir a entrada de ninguém, mas não houve nada mais", disse o assessor Mohammed Edwan, ao ser perguntado sobre se é comum que islamitas rezem na mesquita da Muqata de Ramala, onde Abbas faz suas orações.   Outras fontes do escritório presidencial descreveram o encontro como "fraternal", e confirmaram que depois da oração não houve nenhum encontro entre as partes.

Tudo o que sabemos sobre:
AbbasHamasIsraelPalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.