Abbas se diz pronto a colaborar com próximo governo de Israel

Presidente da ANP afirma esperar que novo Executivo 'paralise novos assentamentos' para processo de paz

Efe,

09 de fevereiro de 2009 | 15h23

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, assegurou nesta segunda-feira, 9, em Varsóvia que está preparado para colaborar com o governo israelense vencedor das eleições de terça. "Não sei quem vencerá o pleito, mas colaboraremos com qualquer governo de Israel que saia destas eleições, sob as bases dos acordos bilaterais e das resoluções internacionais adotadas sobre esta questão", disse Abbas, que nesta segunda se reuniu com o chefe de Estado polonês, Lech Kaczynski.   Veja também:  Partidos israelenses fazem esforço final com indecisos Voto de protesto impulsiona ícone da ultradireita em Israel Livni tenta reagir com ''fator Shalit''  Acordo por Shalit depende da soltura de 4 presos do Hamas Bastidores da cobertura do 'Estado' em Israel  Veja os principais candidatos a premiê de Israel Conheça os principais partidos israelenses    Abbas manifestou ainda sua esperança em que o Executivo israelense "paralise a instalação de novos assentamentos", já que, se isto não acontecer, o processo de paz na região terá um futuro incerto. "Peço que Israel cumpra suas obrigações porque, caso contrário, o mundo inteiro se sentirá decepcionado, porque a paz não chegará e a violência e o terrorismo continuarão batendo à nossa porta", disse o líder palestino, que insistiu em que o cumprimento dos acordos é "a única alternativa para a paz."   Já Lech Kaczynski reafirmou o desejo da Polônia de que palestinos e israelenses alcancem um entendimento e evitem a morte de mais inocentes. "A paz no Oriente Médio não interessa apenas às partes diretamente envolvidas no conflito, mas a todo o mundo, já que a situação atual põe em risco a vida das pessoas", indicou Kaczynski.   Mais de 1.300 palestinos morreram na mais recente ofensiva israelense sobre a Faixa de Gaza, operação que provocou a reprovação de um grande número de países. Kaczynski assinalou que, "como um político que se considera pró israelense", não é capaz de aceitar este tipo de situação.   "A Polônia quer ter cada vez melhores relações com Israel, mas também deseja muito a paz na região", acrescento ele. Além disso, ressaltou que seu governo "teve, tem e terá boas relações com o povo e a autoridade da Palestina". O Fatah, movimento palestino de Abbas, perdeu o controle da Faixa de Gaza para o Hamas em 2007.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.