Abbas se reúne com presidente egípcio para discutir fronteira

Líder palestino se encontra com Mubarak na quarta-feira para restabelecer regras para passagem na região

Agências internacionais,

28 de janeiro de 2008 | 08h03

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, se reunirá na próxima quarta-feira, 30, com o chefe de Estado egípcio, Hosni Mubarak, em Cairo, para discutir a situação na fronteira entre Gaza e Egito, revelaram fontes palestinas na capital egípcia.   Veja também: Faixa de Gaza foi controlada por otomanos, egípcios e judeus   O anúncio da visita se produz um dia depois que a ANP indicou que Cairo aceitou um plano do presidente da entidade palestina para reabrir, sob seu controle, a passagem de Rafah, que liga a Faixa de Gaza ao Egito, questão sobre a qual as autoridades egípcias ainda não se pronunciaram.   Em entrevista publicada na edição desta segunda no jornal independente Al-Masri Al-Youm, o enviado de Abbas no Egito, Nabil Shaath, disse que na reunião Abbas "tratará de estabelecer as regras que devem se impor nas passagens fronteiriças entre Gaza e Egito". Segundo Shaath, na reunião também será discutido o convite de Mubarak para a realização de uma conferência de reconciliação entre as facções rivais do Hamas e do Fatah, liderada por Abbas.   Esta é a primeira vez que Mubarak se envolve pessoalmente para reconciliar as duas facções palestinas rivais desde que, em junho, o Hamas tomou o controle da Faixa de Gaza e expulsou os partidários do Fatah.   Shaath disse ainda que Abbas se encontrará com outras personalidades políticas egípcias como o dirigente do grupo islâmico Irmãos Muçulmanos, Mohammed Mahdi Akef, com quem debaterá também a situação na fronteira. O assessor de Abbas afirmou que a reunião com Akef acontecerá porque o Hamas é "parte do movimento Irmãos Muçulmanos no Egito".   Desde quarta-feira passada, milhares de palestinos procedentes da Faixa de Gaza cruzaram a fronteira com o Egito após derrubar a cerca fronteiriça devido ao bloqueio israelense à região.   Retomada do fornecimento   Israel afirmou nesta segunda-feira, 28, que retomará o fornecimento de combustível para Gaza em uma semana. O governo iniciou as sanções há dez dias por conta dos ataques de foguetes contra o território israelense promovidos por militantes palestinos.   A decisão foi anunciada durante uma audiência na Suprema Corte de Israel, em que grupos de direitos humanos questionaram o bloqueio e defenderam que a medida é uma "punição coletiva ilegal", e após o primeiro encontro entre líderes israelenses e palestinos desde o início da crise, agravada pela abertura da fronteira entre Gaza e o Egito.   Militantes do Hamas abriram as passagens na última quarta-feira, permitindo que cerca de 700 mil palestinos cruzassem a fronteira em busca de suprimentos.   O governo israelense prometeu restaurar o fornecimento, mas não em níveis normais. Será enviado o mínimo para que a usina que produz energia em Gaza volte a funcionar.   Na reunião deste domingo, o presidente palestino, Mahmoud Abbas, voltou a oferecer que seus homens passem a controlar as fronteiras da Faixa de Gaza em vez de representantes do Hamas, mas não recebeu nenhuma resposta oficial de Israel.

Tudo o que sabemos sobre:
EgitoGazaIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.