Abbas só retoma negociação com trégua entre Israel e Hamas

Anúncio do presidente da Autoridade Palestina pode complicar planos dos EUA de retomar diálogo por acordo

Agência Estado e Associated Press,

05 de março de 2008 | 08h38

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, afirmou nesta quarta-feira, 5, que só retomará negociações de paz com Israel depois que o Estado judeu concordar com uma trégua na Faixa de Gaza, controlada pelo Hamas. A declaração complica a missão da visitante secretária de Estado americana, Condoleezza Rice, que tenta fazer com que os dois lados voltem à mesa de negociações. Israel promoveu na semana passada uma incursão na Faixa de Gaza para conter disparos de foguetes de militantes, matando mais de 120 palestinos, a maioria civis. Na madrugada desta quarta, tropas de Israel voltaram a atacar Gaza, matando um bebê de um mês e um combatente da Jihad Islâmica. Abbas suspendeu conversações de paz, apoiadas pelos EUA, em protesto contra a incursão israelense. "As negociações têm de ser recomeçadas, mas depois da trégua", disse Abbas. "Uma vez que a trégua seja alcançada, o caminho estará aberto para negociações". Ele afirmou que Rice pretende enviar um emissário ao Egito, que já vez muitas vezes mediações entre Israel e o Hamas. "Existem verdadeiros esforços sendo exercidos pelo Egito por uma trégua", destacou. Apesar de Abbas não se referir ao Hamas pelo nome, seus assessores frisaram que o grupo islâmico tem de ser parte do acordo. Hamas assumiu o controle de Gaza no ano passado, e Abbas tem pouca influência na faixa. Abbas estaria propondo que o Hamas suspenda disparos de foguetes caseiros contra Israel e o Estado judeu ponha fim a seus ataques aos militantes palestinos e o Egito reabra suas fronteiras com Gaza.  Um porta-voz do governo israelense, Mark Regev, não descartou a possibilidade de um cessar-fogo. "Se eles não atiram contra nossa população civil, não teremos de responder", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
palestinosIsraelHamasGaza

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.