Abbas suspende negociações com Israel

A decisão foi tomada após morte de 62 palestinos em Gaza

EFE

02 de março de 2008 | 01h59

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, suspendeu as negociações de paz com Israel, após os últimos ataques israelenses na Faixa de Gaza nos quais pelo menos 62 palestinos perderam a vida, segundo fontes do escritório presidencial palestino. O ex-primeiro-ministro e chefe da equipe negociadora palestina, Ahmed Qorei, comunicou a decisão à chefe da diplomacia israelense, Tzipi Livni, em reunião na tarde deste sábado. A suspensão das negociações foi confirmada também pelo porta-voz israelense de Exteriores, Arye Mekel, que disse, no entanto, que as conversas com a equipe negociadora palestino podem voltar a serem retomadas. Além disso, o líder da ANP cancelou o encontro que tinha previsto realizar na próxima semana com o primeiro-ministro israelense, Ehud Olmert, como parte das reuniões quinzenais que ambos os dirigentes mantêm desde dezembro do ano passado, quando o processo de paz iniciado em novembro na cúpula de Annapolis (EUA) foi retomado. Abbas condenou no sábado a última ofensiva militar israelense lançada contra a Faixa de Gaza e qualificou a situação nesse território de "mais grave do que o Holocausto". O dirigente palestino fez essas afirmações durante uma reunião realizada no sábado na sede governamental da cidade cisjordaniana de Ramala, a "Muqata", com membros do Conselho Nacional Palestino, na qual qualificou de "muito perigosa" as recentes incursões israelenses. No entanto, Livni manifestou que "se os palestinos quiserem interromper as conversas de paz com Israel, (isto) não terá nenhum efeito sobre as decisões israelenses em Gaza". O chefe do serviço de urgências do Ministério da Saúde em Gaza, Moawiya Hasanin, calculou em 96 as pessoas mortas desde quarta-feira passada, quando foi iniciada a ofensiva militar de Israel, enquanto os feridos, dezenas deles em estado grave, superam os 300.

Tudo o que sabemos sobre:
Faixa de Gaza, Abbas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.