Abbas suspende negociações de paz com Israel após ofensiva

Ao menos 61 palestinos morreram em dois dias de confrontos e outros 200 ficaram feridos na região

Reuters,

02 de março de 2008 | 09h12

O presidente palestino, Mahmoud Abbas, anunciou neste domingo, 2, que as negociações de paz com Israel estão suspensas. Segundo um porta-voz do governo palestino, a decisão foi tomada devido às incursões militares israelenses na Faixa de Gaza, que deixaram pelo menos 61 mortos e até 200 feridos em dois dias de confrontos.  Veja também:Veja as imagens  Contra-ataque de Israel ao Hamas mata 61 palestinos em GazaIsrael deve intensificar incursão militar na Faixa de GazaAnálise: Hamas delira, e o governo de Israel expõe sua fraquezaAbbas diz que ações de Israel são 'mais do que o Holocausto'Autoridade Palestina ameaça suspender diálogo com IsraelConselho da ONU se reúne com urgênciaCasa Branca pede fim da violência no Oriente MédioEgito reabre fronteira com Gaza para receber feridos Neste domingo, o governo de Israel afirmou que deve intensificar as operações militares na região. Ao menos 80 palestinos já foram mortos no conflito desde a quarta-feira, 27, quando Israel começou suas operações de retaliação por um ataque palestino com míssil que matou um estudante na cidade israelense de Sderot. Neste domingo, caças israelenses destruíram o escritório do primeiro-ministro palestino, Ismail Haniyeh, na cidade de Gaza.  Conselho de Segurança  O Conselho de Segurança das Nações Unidas realizou uma sessão de emergência na noite do sábado para discutir a situação em Gaza, mas não expressou uma condenação formal a Israel por seus ataques a Gaza ou aos palestinos pelos disparos de foguetes contra o território israelense.  O Conselho de Segurança expressou sua preocupação com a perda de vidas de civis e pediu a imediata interrupção dos confrontos. Durante a reunião, o secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, condenou o uso "excessivo" da força por Israel e classificou os ataques palestinos com mísseis contra Israel de "atos de terrorismo".  Ban pediu ainda que tanto Israel quanto os palestinos interrompam os confrontos.  Maior incursão terrestre  Israel realizou no sábado sua maior incursão terrestre em Gaza em mais de um ano, com um saldo de ao menos 54 palestinos e dois soldados israelenses mortos . Foi um dos dias mais sangrentos na Faixa de Gaza desde que Israel se retirou da região, em 2005.  Autoridades médicas locais dizem que ao menos 13 dos palestinos mortos no sábado eram civis, incluindo oito crianças. Mais de 150 palestinos, e sete israelenses, também ficaram feridos. Apesar das ações militares israelenses, os foguetes contra o seu território continuaram a ser disparados.

Tudo o que sabemos sobre:
GazaPalestinaAbbasIsrael

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.