Acordo para criação de Palestina só deve sair em novembro

Premiê descarta consolidação de plano para a criação do Estado palestino antes de conferência com os EUA

ADAM ENTOUS, REUTERS

03 de setembro de 2007 | 13h06

O primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, afirmou nesta segunda-feira, 3,  não ter certeza sobre a possibilidade de um acordo com o presidente Mahmoud Abbas, antes de uma conferência convocada pelos Estados Unidos e marcada para novembro, para a criação do Estado palestino.Olmert deu as declarações após alguns membros do partido de centro Kadima, do qual faz parte, terem exigido maiores informações sobre as negociações dele com Abbas."Tenho realizado encontros com o presidente da Autoridade Palestina, Abu Mazen (Abbas), e tenho esperanças de que conseguiremos, no futuro próximo, chegar a uma declaração conjunta", afirmou o premiê a repórteres. "Se pudermos elaborar um projeto até novembro, teremos conseguido fazer isso. Mas não estou seguro sobre se seremos capazes de atingir essa meta."Olmert tenta selar um acordo sobre uma "declaração de princípios". Já Abbas deseja um documento mais específico, um "projeto de acordo", do qual constariam prazos para a resolução de questões fundamentais, como as fronteiras, o destino de Jerusalém e o futuro dos refugiados palestinos.O premiê israelense se reunirá, na terça-feira, em Jerusalém, com Tony Blair, enviado do Quarteto de mediadores para o Oriente Médio. Olmert também deve se encontrar, nesta semana, com o secretário-assistente de Estado dos EUA, David Welch, afirmaram diplomatas. DivergênciasSaeb Erekat, um importante negociador palestino, disse que Olmert e Abbas pretendiam reunir-se "nos próximos dias" para tentar diminuir as diferenças.A falta de informações mais detalhadas a respeito dos encontros mantidos pelos dois dirigentes alimentou especulações, em Israel, de que o premiê pretenderia fortalecer o presidente palestino por meio de amplas "concessões" diplomáticas, tais como um prazo para a formação de um Estado palestino na Cisjordânia.Segundo Olmert, ainda não havia sido selado nenhum acordo com Abbas. Se um documento do tipo for elaborado, "tenho certeza de que vamos conseguir o apoio tanto do meu partido quanto do povo de Israel", afirmou.Os EUA ainda não disseram o que pretendem atingir com a conferência de novembro, que deve ser realizada em Washington.Diplomatas de países ocidentais afirmaram que Abbas e Olmert devem participar do encontro apenas se conseguirem avançar o suficiente antes daquela data."Não podemos permitir que isso fracasse", disse Javier Solana, chefe da área de política externa da União Européia (UE). Solana deu essa declaração em uma entrevista coletiva concedida ao lado da ministra das Relações Exteriores de Israel, Tzipi Livni.

Tudo o que sabemos sobre:
ORMEDOLMERTABBAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.