Adiado julgamento de iraquiano que jogou sapatos em Bush

Jornalista é acusado de agressão a um chefe de Estado estrangeiro e pode ser condenado a 15 anos de prisão

Reuters,

30 de dezembro de 2008 | 12h12

O julgamento do repórter iraquiano que jogou seus sapatos no presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, em Bagdá foi adiado por causa de uma apelação sobre se o incidente corresponde a agressão, informou o advogado do jornalista na quarta-feira. O repórter de TV Muntazer al-Zaidi é acusado de agressão contra um chefe de Estado estrangeiro, passível de pena de 15 anos de prisão, após jogar seus dois sapatos em Bush durante uma entrevista coletiva conjunta com o primeiro-ministro Nuri al-Maliki este mês e chamar o presidente norte-americano de cachorro. Dhiaa al-Saadi, advogado de Zaidi, disse à Reuters que a defesa apelou para reduzir a acusação para insulto a um chefe de Estado em visita, o que levaria a uma pena máxima de 2 anos, porque a ação não teria colocado Bush em perigo. "Você já ouviu alguém ter sido morto por um sapato?", disse Al-Saadi. "Na Europa, eles jogam ovos e tomates podres para insultar. No Iraque, jogar o sapato é um símbolo de desrespeito."  O porta-voz do Alto Conselho Judicial iraquiano Abdual Satar Birqadr disse que o pedido de apelação de Zaidi seria examinado, resultando no adiamento do julgamento que deveria ter começado na quarta-feira. Dois irmãos que visitaram Zaidi na prisão, localizada na Zona Verde em Bagdá, disseram que ele apresenta sinais de ter sido agredido, como a perda de um dente e escoriações nos braços e pernas.

Tudo o que sabemos sobre:
sapatadaIraqueEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.