Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Afeganistão diz que ataque liderado pelos EUA matou 17 civis

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, condenou nesta quinta-feira uma operação militar liderada pelos Estados Unidos que, segundo seu gabinete, matou 17 civis, incluindo mulheres e crianças. O Exército norte-americano disse que apenas militantes foram mortos na operação, que teve como alvo o Taliban na província de Laghman. Em um outro incidente, três civis foram mortos e nove ficaram feridos por um ataque suicida a bomba na região de Maywand, província de Kandahar, no sul do Afeganistão, disse o chefe de polícia do distrito. O alvo seria um comboio da Otan. Mortes de civis causadas por operações de tropas estrangeiras contra militantes enfraqueceram o apoio às tropas, tornando o assunto um ponto delicado entre o governo afegão e seus aliados. "Baseado nos relatos, durante operação 17 civis, incluindo mulheres e crianças, foram mortos juntamente com os militantes na província de Lagman", disse Karzai em comunicado. "O governo afegão tem sempre deixado clara sua posição sobre esse assunto e quer um fim para tais incidentes", acrescentou. Karzai também condenou os insurgentes por usar deliberadamente civis como "escudo humano". O porta-voz das Forças Armadas dos Estados Unidos, coronel Jerry O'Hara, respondeu à declaração do presidente e disse à Reuters nesta quinta-feira que 32 insurgentes, incluindo uma mulher, foram mortos durante a operação. "Eu estou confirmando a você que todos os mortos eram militantes", disse ele. "Se quaisquer civis estavam envolvidos nesta operação, nossas sinceras condolências a eles e sua família", afirmou O'Hara. (Reportagem de Hamid Shalizi)

REUTERS

08 de janeiro de 2009 | 15h40

Tudo o que sabemos sobre:
AFEGANISTAOOFENSIVAEUA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.