Afeganistão expulsa enviados europeus e gera crise diplomática

O governo do Afeganistão provocou umconflito diplomático, nesta quarta-feira, com importantesparceiros do país ao considerar "personas non gratas" umbritânico e um irlandês que trabalham para a União Européia(UE) e a Organização das Nações Unidas (ONU). Os dois foram acusados de colocar a segurança do país emrisco ao supostamente terem se reunido com membros do grupoinsurgente Taliban. Um membro do governo afegão afirmou que o chefe emexercício da missão da UE, Michael Semple, e a autoridade daONU Marvin Patterson haviam sido expulsos do país e deveriampartir até quinta-feira. O presidente afegão, Hamid Karzai,visita atualmente o vizinho Paquistão. "Essa é a decisão definitiva do governo. Eles são 'personasnon gratas"', disse à Reuters a autoridade, que não quis tersua identidade divulgada. Diplomatas de países ocidentais presentes em Cabulafirmaram que a desavença não passava de um "mal-entendido",acrescentando que provavelmente os dois tenham de ficar longedo país durante algum tempo apenas. Semple disse à Reuters que "não seria apropriado da minhaparte" fazer comentários sobre esse assunto neste momento. O governo acusou os dois, versados nos costumes e línguasdo Afeganistão, de reunirem-se com integrantes do Taliban naProvíncia de Helmand (sul), centro da produção de papoula dopaís e um reduto da insurgência. "Eles não somente conversaram com o Taliban, mas também lhederam dinheiro", disse a autoridade afegã. "Não se sabeexatamente se, com isso, pretendiam ou não dar apoio àinsurgência." A autoridade tampouco soube afirmar se o encontro eraresultado de uma iniciativa individual ou se os europeusestavam em uma missão oficial. Mas cerca de 50 afegãos --alguns deles colegas de trabalho dos dois -- foram detidos einterrogados devido ao caso. Segundo diplomatas do Ocidente, seria altamente improvávelque os dois tivessem se reunido com representantes do Talibanintencionalmente. O mais provável, disseram, era que estavam emcontato com anciães ou chefes de tribos. Semple e Patterson vivem e trabalham no Afeganistão há maisde dez anos e permaneceram no país mesmo durante o regime doTaliban, deposto na invasão liderada pelos EUA em 2001. Os dois são considerados altamente versados em assuntosrelativos ao Afeganistão, representando peças importantes paraos esforços de reconstrução e para os projetos dedesenvolvimento do país. Organizações de ajuda e analistas dizem que a maior ameaçaà ação humanitária no país tem sido o fortalecimento dainsurgência Taliban. Isso tem ocorrido principalmente no sul eno leste do país, onde remanescentes da rede Al Qaeda, de Osamabin Laden, ainda atuam. (Reportagem adicional de David Fox)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.