Afeganistão tem decapitações e atentado a bomba

Duas pessoas foram decapitadas na segunda-feira no oeste do Afeganistão, uma semana depois de serem sequestradas junto com 33 outras por aparentemente apoiarem o governo afegão, e um chefe de polícia no sul do país foi morto por uma bomba, segundo autoridades.

SHARAFUDDIN SHARAFYAR, REUTERS

18 de julho de 2011 | 15h18

Os corpos decapitados foram entregues às suas famílias na aldeia de Mughul Abad, na província de Farah, um dia depois de 16 sequestrados serem libertados, segundo o ancião local Hajji Saydo Jan. Não ficou claro o que ocorreu com os demais reféns.

"Essas pessoas são gente comum da aldeia, mas os sequestradores disseram que eles tinham conexão com o governo", disse Saydo Jan à Reuters por telefone.

O Taliban disse não saber nada sobre o sequestro, ocorrido, segundo autoridades, em 11 de julho.

Abdul Rashid, uma autoridade provincial de segurança, confirmou que duas pessoas foram decapitadas e que 16 foram soltas. Ele disse também que uma pessoa foi assassinada no mesmo dia do sequestro.

O incidente ocorre no momento em que as tropas estrangeiras começam a transferir o controle da segurança para as forças afegãs. No domingo, a Isaf (força da Otan) entregou o controle na província de Bamiyan, região central do país, marcando o início de um processo gradual que terminará no final de 2014 com a retirada de todas as tropas estrangeiras do país.

O primeiro semestre deste ano foi o mais letal para os civis em uma década de conflito no Afeganistão, com quase 1.500 mortos, segundo um recente relatório da ONU. Funcionários da ONU e do Comitê Internacional da Cruz Vermelha disseram na semana passada que os civis estão cada vez mais sendo pressionados a escolher um lado no conflito entre o governo, apoiado pelo Ocidente, e os insurgentes islâmicos do Taliban.

Na segunda-feira, o chefe de polícia do distrito de Registaan e três subordinados dele foram mortos por uma bomba deixada à beira de uma estrada na violenta província de Kandahar, sul do país, segundo autoridades locais.

Segundo a ONU, o número de incidentes violentos no Afeganistão saltou de 8.242 no primeiro semestre de 2010 para 11.826 nos primeiros seis meses de 2011. O sul e sudeste do Afeganistão responderam por dois terços do total, mas a região oeste teve a maior taxa de crescimento mensal nos incidentes violentos.

(Reportagem adicional de Mirwais Harooni em Cabul)

Tudo o que sabemos sobre:
AFEGANISTAOVIOLENCIADECAPITA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.