Afeganistão vê 'nova página' em aumento de tropas dos EUA

O Afeganistão está abrindo uma nova página nas relações com os Estados Unidos, disse um porta-voz presidencial afegão na quarta-feira, no momento em que o presidente norte-americano, Barack Obama, ordenou o envio de mais 17 mil soldados para combater insurgentes do Taliban. Obama, em sua primeira importante decisão no campo militar enquanto comandante-em-chefe, disse que o aumento das tropas é "necessário para estabilizar uma situação que se deteriora no Afeganistão", mas alertou que somente os meios militares não seriam suficientes para solucionar o problema. Obama telefonou para o presidente afegão, Hamid Karzai, durante de terça-feira a noite pela primeira vez desde que assumiu o posto, cerca de um mês atrás. Os laços entre Cabul e Washington têm se deteriorado desde a posse de Obama, com o novo governo questionando a habilidade de Karzai governar efetivamente, enquanto o presidente afegão denuncia a morte de civis por tropas estrangeiras. Mas, depois da conversa telefônica, o porta-voz de Karzai disse: "Nós abrimos uma nova página". "O senhor Obama falou com o presidente sobre vários temas, incluindo medidas para melhorar a segurança na região, equipamento e treinamento do Exército nacional, o futuro estreitamento das relações bilaterais e o crescimento das forças também foi discutido", disse o porta-voz Humayun Hamidzada. As tropas extras elevarão o número de soldados dos EUA no país para cerca de 55 mil. O contingente militar norte-americano no país já havia subido significativamente de 30 mil para 38 mil no início deste ano, ainda sob o governo de George W. Bush. Cerca de 30 mil soldados de 40 outras nações, a maior parte de membros da Otan (Organização para o Tratado do Atlântico Norte), também estão no país. Espera-se que Washington pressione seus aliados para aumentar sua contribuição. As novas forças dos EUA incluirão uma brigada expedicionária de cerca de 8.000 marines e uma brigada do Exército de 4.000 soldados. A maior parte das novas tropas será enviada ao sul do Afeganistão, em uma tentativa de desequilibrar a favor das tropas britânicas, canadenses de holandesas e a disputa contra insurgentes do Taliban.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.