Afegãos devem assumir controle do país em 2011, diz Otan

Publicação alemã Der Spiegel afirma que governo alemão apóia decisão e vem contribuindo para isto

Efe,

06 de abril de 2008 | 06h22

A Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan) prevê que em 2011 as forças de segurança do Afeganistão poderão assumir, sem ajuda estrangeira, o controle do sul do país, afirmou a publicação o semanal Der Spiegel. A publicação, que chega às bancas na próxima na segunda, afirma que as forças do Governo de Hamid Karzai assumirão a responsabilidade militar da capital Cabul e das redondezas ainda neste ano. O Der Spiegel cita um documento interno do governo, avaliado pela Otan em Bucareste, que fala em "prazos mais vagos" para outros projetos, como a luta contra os barões da droga e a criação de um sistema judiciário "eficiente e independente". O motivo do sigilo nos planos e a falta de uma data específica para a retirada das tropas internacionais são motivados pelo "temor do comando militar em receber críticas", ainda que a saída já "esteja sendo preparada". O Ministério alemão de Relações Exteriores anunciou neste sábado, 5, que, com sua ajuda, foram construídas 33 novas delegacias policiais no norte do Afeganistão, entre elas um edifício para os agentes de trânsito e um quartel-general. Frank-Walter Steinmeier, o ministro de Relações Exteriores, afirmou, em comunicado, que este projeto favorece o objetivo do Governo de Angela Merkel que, "passo a passo, pretende fazer com que a Polícia afegã assuma a responsabilidade de garantir a segurança" no país. "Sei que não é um caminho fácil. Mas, com a construção das novas instalações da Polícia, queremos apoiar o Governo e as forças de segurança afegãs", afirmou o ministro, cujo departamento investiu 2,9 milhões de euros. O Governo alemão aumentou, recentemente, de 80 para 140 milhões de euros, a verba para a reconstrução do Afeganistão e estima-se que até 2010 serão desembolsados 900 milhões de euros.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoOtanAlemanha

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.