Agência nuclear da ONU descreve Irã como 'caso especial'

Agenda do encontro também coloca em pauta a situação de Israel, que não assinou o acordo nuclear

AP

07 de junho de 2010 | 09h10

VIENA - O chefe da Agência Internacional de Energia Atômica descreveu o Irã como um "caso especial" perante sua equipe de supervisão, pelas suspeitas de que o país poderia estar escondendo programas experimentais para desenvolver armas nucleares.

 

Ao falar no início da reunião da diretiva da agência de 35 nações nesta segunda-feira, 07, Yukiya Amano, instou que haja uma maior cooperação com a AIEA por parte do Irã e da Síria, que também é suspeita esconder atividades nucleares que poderiam ser usadas para fabricar armas atômicas.

 

O programa nuclear de Israel também está na agenda do encontro, ponto que é criticado pelos Estados Unidos.

 

Glyn Davies, principal delegado de Washington na AIEA, disse que Israel não violou nenhum dos compromissos possui com a agência nuclear.

 

A referência é para o fato de que Israel não firmou o Tratado de não-proliferação nuclear.

Tudo o que sabemos sobre:
AIEATNPIrãIsraelEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.