Sajjad Safari/Reuters
Sajjad Safari/Reuters

Ahmadinejad descarta paralisar programa nuclear do Irã

Presidente iraniano também critica novo diretor da AIEA e minimiza efeito de sanções do Ocidente

Reuters

07 de junho de 2011 | 16h25

TEERÃ - Nenhuma proposta vinda das potências mundiais será capaz de convencer o Irã a parar de enriquecer urânio, disse nesta terça-feira, 7, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, rejeitando a exigência dos países ocidentais que temem que Teerã esteja desenvolvendo armas nucleares.

 

Veja também:

lista Veja as sanções já aplicadas contra o Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

 

Um dia depois de a agência de energia atômica da Organização das Nações Unidas (ONU) dizer que tem nova evidência das possíveis dimensões militares da atividade nuclear do Irã, Ahmadinejad acusou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) de fazer o jogo de Washington e disse que os avanços de Teerã na área nuclear não têm "nem freio nem marcha ré".

O diretor-geral da AIEA, Yukiya Amano, disse na segunda-feira que a AIEA recebeu "novas informações que parecem indicar a existência de possíveis dimensões militares do programa nuclear do Irã". A afirmação contradiz a posição do Irã, que insiste que a atividade nuclear do país é totalmente voltada para fins pacíficos.

 

Ahmadinejad também deixou claro sua insatisfação com o diretor japonês da AIEA, que adotou uma abordagem mais dura que seu antecessor, o egípcio Mohamed ElBaradei. "Sob as ordens da América, (a AIEA) escreveu algumas coisas num relatório que são contra a lei e contra as regulações da agência", disse Ahmadinejad a jornalistas. "Isso não tem valor legal e, à parte de prejudicar a reputação da agência, não terá nenhum outro efeito."

Teerã afirmou que as sanções impostas por Washington, pela Europa e pela ONU não atingiram a economia do país e insiste que não será forçado a desistir do que considera seu direito soberano de enriquecer urânio, um processo que tanto pode produzir combustível para usinas nucelares ou fornecer material para uma bomba.

"Eu já disse antes que esse trem nuclear do Irã não tem freios nem marcha ré... Continuaremos o nosso caminho", afirmou Ahmadinejad, acrescentando que o Irã continuaria a cooperar com a AIEA "contanto que eles ajam com base na justiça". Questionado se as potências mundiais poderiam oferecer algum incentivo para interromper o enriquecimento feito pelo Irã, ele respondeu com uma palavra: "Não".

 

Negociações

 

Apesar das declarações, Ahmadinejad disse que o Irã está pronto para retomar as negociações sobre seu programa nuclear com as potências mundiais. "Eles querem negociar novamente. Vamos negociar para chegarmos a uma compreensão e cooperação... mas até que eles mudem sua abordagem arrogante para uma cooperativa, os conflitos verbais pela mídia vão continuar", disse o presidente iraniano.

 

"Estamos conduzindo nossas atividades legalmente. Tivemos a maior cooperação com a AIEA. A questão nuclear é uma desculpa. A questão verdadeira é o Ocidente contra nossa independência", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.