Burhan Ozbilici/AP
Burhan Ozbilici/AP

Ahmadinejad diz que acordo nuclear com o Irã é 'oportunidade única'

Pelo pacto, Teerã deve trocar urânio pouco enriquecido por material atômico pronto para uso civil

estadão.com.br

08 de junho de 2010 | 07h51

ISTAMBUL - O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, afirmou nesta terça-feira, 8, em Istambul que o acordo nuclear alcançado por seu país com o Brasil e a Turquia é "uma oportunidade única" que não voltará a aparecer.

 

Veja também:

link Brasil falha na ONU, e caso do Irã será votado

link Hillary alerta sobre manobras do Irã

link AIEA debaterá potencial nuclear de Israel

 

Em entrevista coletiva antes do início de uma cúpula regional da qual participam 18 países asiáticos, Ahmadinejad disse aos Estados Unidos que se trata de "uma oportunidade que não voltará a se repetir" caso não seja aproveitada, informou a imprensa turca.

 

Ahmadinejad afirmou ainda que o país irá se recusar a participar em novas negociações sobre seu programa nuclear se o Conselho de Segurança da ONU, que se reúne nesta terça-feira para discutir o assunto, aprova quarta rodada de sanções contra .

   

"Já disse que a administração dos Estados unidos e seus aliados estão enganados se pensam que podem exercer a ameaça de uma resolução (novas sanções) e depois sentar e negociar conosco. Isso não vai acontecer", disse à conferência imprensa, segundo informações da gência de notícias AFP.

   

"Nós vamos discutir com todos", proclamou o chefe do Estado iraniano, que pediu "respeito e justiça". Mas "se tentarem falar de uma forma brutal, com um tom de dominação, eles sabem qual será a nossa resposta", continuou ele.

   

Ahmadinejad convidou as potências ocidentais para aceitar o acordo feito em maio entre o Irã, Turquia e Brasil, em troca de combustível nuclear em território turco, dizendo que esta é uma oportunidade única.

 

Brasil e Turquia fecharam recentemente um acordo com o Irã, pelo qual Teerã se compromete a entregar à Turquia 1,2 toneladas de urânio enriquecido a 3,5%, para recuperar um ano depois 120 quilos do material enriquecido a 20% para um reator.

 

O acordo não satisfez os EUA, que estão pressionando para impor uma nova rodada de sanções ao Irã no Conselho de Segurança das Nações Unidas.

 

O presidente iraniano também afirmou que o ataque israelense à flotilha mostrou "a natureza cruel e bárbara de Israel".

 

Saiba mais:

especial Os últimos eventos da crise nuclear

especial Saiba mais sobre o TNP

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

lista Veja as sanções que já foram aplicadas ao Irã

 

O primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, e seu colega turco, Recep Tayyip Erdogan, tiveram um café da manhã de trabalho antes do início da cúpula, que tem o controvertido programa atômico de Teerã como um dos principais assuntos a tratar.

 

A Conferência sobre Interação e Medidas de Construção de Confiança na Ásia (CICA, na sigla em inglês) nesta terça será dominada pelo ataque israelense à frota que se dirigia a Gaza e pelo programa nuclear iraniano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.