Ahmadinejad enviará mensagem de Natal pela TV britânica

Após pronunciamento de Elizabeth II, iraniano dirá que, se Jesus estivesse vivo, estaria contra os 'maus poderes'

AP e Efe,

24 de dezembro de 2008 | 13h41

O presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, enviará uma mensagem de Natal aos britânicos através do "Canal 4", anunciou nesta quarta-feira, 24, a emissora, que desde 1993 transmite mensagens natalinas "alternativas". No pronunciamento, o líder iraniano diz acreditar que, se Jesus estivesse vivo, ficaria "ao lado das pessoas contra os poderes maus, ameaçadores e expansionistas", em uma aparente referência aos Estados Unidos e seus aliados.   "Se Cristo estivesse na Terra hoje, sem dúvidas ele levantaria a bandeira da justiça e amor para a humanidade, para se opor aos militaristas, ocupantes, terroristas e ameaçadores", diz o iraniano, falando em farsi com legendas em inglês.   Ahmadinejad também felicitará os cristãos pelo nascimento de Jesus, e explicará como muitos problemas e crises sociais derivam de uma rejeição às doutrinas dos profetas de Deus, incluindo Jesus Cristo, indicou a rede.   A chefe de notícias atual do "Canal 4", Dorothy Byrne, disse que a escolha de Ahmadinejad para a mensagem natalina deste ano responde à vontade da empresa de "oferecer uma perspectiva diferente do mundo que nos cerca."   Byrne disse que a mensagem de Ahmadinejad é puramente espiritual e também relevante, já que, "como líder de um dos Estados mais poderosos do Oriente Médio", seu ponto de vista "é muito influente". O discurso do presidente iraniano será retransmitido na quinta-feira às 17h15 de Brasília, mais de quatro horas depois da tradicional mensagem de Natal da rainha Elizabeth II, que "BBC" e "ITV" emitirão à 13h de Brasília.   O "Canal 4" gerou polêmica em 2006 ao ceder esse espaço televisivo a uma muçulmana britânica que, com o rosto coberto com o "niqab", criticou o então líder da Câmara dos Comuns, Jack Straw, por sugerir que esse véu dificultava a comunicação.

Tudo o que sabemos sobre:
AhmadinejadNatal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.