Ahmadinejad está doente e pode não disputar reeleição

Os próximos meses serão críticos para o presidente do Irã tentar reconstruir sua base política

AP,

26 de outubro de 2008 | 08h23

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, está doente por causa do excesso de trabalho, disse um político próximo a ele à agência de notícias estatal iraniana, e há dúvidas sobre se concorrerá a um novo mandato.   O parlamentar Mohammad Ismail Kowsari, um aliado do presidente, disse à agência Irna que Ahmadinejad anda indisposto por causa do estresse do cargo.   "No fim, o presidente ficará bem e vai continuar no trabalho", disse Kowsari, que em setembro acompanhou o presidente em uma visita à ONU. "Qualquer ser humano pode encarar exaustão sob uma carga de trabalho assim".   Alega-se que o presidente iraniano faz jornadas de trabalho diárias de 20 horas. Kowsari acusou a oposição de usar a estafa do presidente para espalhar boatos de que ele não disputará a reeleição em 2009.   "Os que se valem de uma questão tão natural para fazer guerra psicológica fracassarão" perante a opinião pública, disse ele.   Nas últimas semanas, apoiadores de Ahmadinejad vêm discutindo candidatos em potencial para a próxima eleição presidencial, sugerindo que o presidente em exercício não seria a escolha óbvia para disputar o cargo.   Todos os presidente anteriores do Irã completaram dois mandatos, com exceção do primeiro, Abolhasan Banisadr, que fugiu do país em 1981.   Os próximos meses serão críticos para Ahmadinejad tentar reconstruir sua base política e responder aos ataques sobre suas promessas não cumpridas, como a de levar a riqueza do petróleo para as províncias mais pobres do país.   Com desemprego de 10% e mais de 30% de inflação, o Irã foi incapaz de colher os benefícios da alta recorde do petróleo, que já começa a se reverter.   Ahmadinejad também enfrenta a questão do programa nuclear iraniano. Sua política de confronto com o Ocidente na questão levou a um isolamento cada vez maior do país.

Tudo o que sabemos sobre:
irãAhmadinejadcrise nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.