Ahmadinejad nega racha com líder supremo do Irã

Presidente rechaça crise entre regime e administração; segundo ele, relação dos dois é de "pai e filho"

31 de julho de 2009 | 09h18

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, negou nesta sexta-feira, 31, que exista alguma espécie de racha entre ele e o líder supremo da República Islâmica, o aiatolá Ali Khamenei. Num discurso transmitido pela televisão iraniana, Ahmadinejad disse que seu relacionamento com o líder supremo é como aquele entre "um pai e um filho", baseado no "afeto".

 

Veja também:

lista Conheça os números do poderio militar do Irã

lista Altos e baixos da relação entre Irã e EUA

especialEspecial: Conflito eleitoral divide o Irã

especialEspecial: O histórico de tensões do Irã

especialEspecial: O programa nuclear do Irã

especialEspecial: As armas e ambições das potências

 

As críticas a Ahmadinejad têm crescido dentro do próprio campo conservador, especialmente pela demora em acatar uma ordem de Khamenei para que dispensasse seu indicado para primeiro vice-presidente do Irã. Os conservadores têm advertido a Ahmadinejad que sua legitimidade será questionada se ele não seguir as ordens do líder supremo, que possui a última palavra com relação aos assuntos de Estado no Irã.

 

Os conservadores rejeitaram a escolha de de Esfandiar Rahim Mashaei, ex-ministro da Cultura, para o cargo de principal vice-presidente, por ele ter declarado, no ano passado, que os iranianos eram "amigos de todos os povos do mundo - mesmo dos israelenses". Pressionado desde o dia 20, Ahmadinejad destituiu Mashaei dias depois que o líder supremo, Ali Khamenei, ordenou sua demissão.

 

No discurso, Ahmadinejad afirmou que "nos últimos dias retrataram a relação entre o líder e a administração como algo em dúvida, tentando sugerir distanciamento e um racha". "O que eles não entendem é que a relação entre nós e o líder supremo vai além da política e da administração. É baseada na delicadeza, na ideologia, como a de um pai e um filho".

Tudo o que sabemos sobre:
Irã

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.