Ahmadinejad pede aos EUA que não façam afirmações 'ilógicas'

Declaração segue exigência de Bush para que comunidade internacional impeça programa nuclear iraniano

Efe,

18 de outubro de 2007 | 10h45

O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, pediu nesta quinta-feira, 18, aos Estados Unidos que evitem "declarações ilógicas e sem fundamento" e solicitou à União Européia (UE) que "atue com independência" em relação ao programa nuclear iraniano.  Veja também:Israel busca diálogo com Rússia e China contra o Irã  Ahmadinejad fez estas declarações depois que o presidente dos Estados Unidos, George W. Bush, alertou que a comunidade internacional deve impedir que o Irã obtenha os "conhecimentos suficientes para fabricar uma arma nuclear" se ela tiver interesse em evitar uma terceira guerra mundial. Bush fez a advertência antes de o principal negociador iraniano no caso nuclear, Ali Larijani, reiterar que o país não suspenderá suas atividades nucleares, incluindo as do enriquecimento de urânio. "Devem compreender que já acabou sua era de hegemonia, e que não podem fazer declarações ilógicas e sem fundamento", afirmou Ahmadinejad, em Teerã, em aparente referência à advertência de Bush, embora sem confirmar. Ele pediu ainda a "alguns líderes europeus que atuem de forma independente (dos EUA em relação ao Irã), já que isso serviria a seus interesses". Na segunda-feira, os ministros de Assuntos Exteriores da União Européia decidiram em Luxemburgo manter aberta a negociação com o Irã, mas sem descartar um endurecimento das sanções, como pedia a França, caso não haja avanços até o fim de novembro. Ahmadinejad pediu principalmente à França que "mude rapidamente sua política" em relação ao Irã e considerou que os iranianos "têm que dar mais tempo ao novo governo francês para que ele veja a realidade com mais clareza". O governante iraniano elogiou seu recente encontro em Teerã com o presidente russo, Vladimir Putin, e assegurou que este não apresentou nenhum plano novo para solucionar a polêmica das atividades nucleares iranianas. "Putin não disse nada (sobre o assunto)", disse Ahmadinejad, que anunciou a promessa do presidente russo para que Moscou conclua a construção da usina nuclear iraniana de Bushehr, feita por engenheiros russos no sudoeste do Irã. O Irã insiste em que suas atividades atômicas são pacíficas, mas os EUA e a UE suspeitam que tenham fins militares.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEUAPrograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.