Ahmadinejad sugere diálogo com os EUA 'num futuro próximo'

Teerã e Washington podem manter conversas apenas em 'condições igualitárias', diz presidente iraniano

Associated Press,

14 de julho de 2008 | 19h43

O presidente iraniano Mahmoud Ahmadinejad disse nesta segunda-feira, 14, na televisão estatal, que poderá aceitar conversas diretas bilaterais com os Estados Unidos sob algumas condições. O líder do Irã afirmou que somente manterá conversas com Washington se os dois Estados forem tratados em "condições igualitárias". Ele não deu detalhes. Veja também:Ocidente provoca o Irã, diz governo do KuwaitIrã quer retomar conversas com EUA sobre Iraque Ahmadinejad declarou à TV iraniana que o diálogo é possível "em um futuro próximo", mas não disse se há planos estão sendo discutidos. Washington não tem laços diplomáticos com o Irã por considerar o país um patrocinador do terrorismo. Mas, reconhecendo a influência de Teerã na estabilidade iraquiana, tiveram discussões limitadas com oficiais iranianos pedindo que o país parasse de armar milícias xiitas no Iraque. Os Estados Unidos também disseram que não dialogarão com o Irã sobre seu programa nuclear a menos que o Teerã concorde primeiro em interromper o enriquecimento de urânio - um processo que pode ser usado para gerar energia ou criar bombas nucleares. "O diálogo não faz nenhum sentido se um dos lados estiver numa posição maior e outro em uma menor", acrescentou Ahmadinejad. Por anos, o Irã se opôs veementemente a qualquer conversa bilateral com os EUA. UE Ainda na entrevista à TV estatal, o líder iraniano adiantou que não aceitará nenhuma condição que venha a ser proposta para suspender o programa nuclear de seu país durante as conversas com autoridades da União Européia (UE) nesta semana. O líder das negociações do programa nuclear iraniano, Saeed Jalili, e o chefe da Política Externa da UE, Javier Solana, irão se encontrar no sábado, 19, em Genebra. Ahmadinejad declarou que o diálogo irá se focar nos "pontos comuns", e em marcar um prazo para negociações futuras. Na semana passada, os propósitos programa nuclear iraniano foram novamente questionados após o país realizar um teste de mísseis que, segundo Teerã, seriam capazes de atingir bases dos EUA no Oriente Médio e Israel.

Tudo o que sabemos sobre:
IrãEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.