Aiatolá elogia presidente do Irã na questão nuclear

O líder supremo do Irã, aiatolá AliKhamenei, disse na terça-feira que a República Islâmica obteveuma vitória na disputa por seu programa nuclear. Em suas primeiras declarações públicas sobre o tema desde adivulgação de um relatório de uma agência da ONU, na semanapassada, Khamenei também fez elogios ao presidente MahmoudAhmadinejad pela forma como ele conduziu o assunto. Ahmadinejad faz frequentes discursos prometendo não aceitarconcessões, o que assusta o Ocidente, que teme que o Irãdesenvolva armas nucleares. A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA, um órgãoda ONU) disse em seu relatório que o Irã esclareceu váriasquestões pendentes, conforme estipulava um plano de trabalhodefinido em agosto, mas não respondeu às acusações do Ocidentesobre a possibilidade de desenvolver armas. Potências ocidentais buscam impor uma terceira rodada desanções ao Irã por sua recusa em suspender atividades nuclearesestratégicas, como o enriquecimento de urânio. O Irã diz que oprograma nuclear está voltado apenas à geração de energia, oque permitiria que o país exportasse seu excedente de gás epetróleo. "Um exemplo do avanço do sistema islâmico foi a questãonuclear, em que a nação iraniana obteve honesta e seriamenteuma grande vitória", disse Khamenei a funcionários do governo,segundo uma rádio estatal. O aiatolá afirmou que os que são contra o programa nucleariraniano estão cedendo diante da determinação de Teerã. "Essagente que costumava dizer que a atividade nuclear do Irã deveser desmantelada agora está dizendo: 'estamos prontos a aceitarseus avanços, com a condição de que não continuemindefinidamente"', afirmou Khamenei, elogiando a "perseverança"do país. Pelo sistema clerical em vigor no Irã, Khamenei tem apalavra final sobre todas as questões de Estado, inclusive apolítica nuclear. Ele está acima até mesmo da autoridade dopresidente. Khamenei fez críticas ao Parlamento anterior, que eracontrolado por políticos reformistas. Esse grupo, agoraafastado do poder, costuma questionar a forma como Ahmadinejadlida com a questão nuclear, alegando que sua intransigênciaestá isolando o Irã. "Ao contrário dos esforços de alguns na legislaturaanterior, o sétimo Parlamento agiu de forma resoluta", afirmouo aiatolá. Antes da posse de Ahmadinejad, em 2005, o governo anteriorhavia aceitado suspender o enriquecimento de material nuclear.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.