AIEA chega a ´acordo´ com Irã sobre programa nuclear

Agência nuclear definirá em 60 dias um ´plano-marco´ para destravar negociações

Efe

12 Julho 2007 | 17h20

O chefe da delegação da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) em visita ao Irã, Olli Heinonen, afirmou nesta quinta-feira, 12, que sua equipe chegou a um acordo com os dirigentes iranianos sobre "algumas questões", nas negociações sobre o programa nuclear do país.Heinonen, subdiretor da AIEA, fez a declaração no final da terceira rodada das negociações em Teerã. Os encontros são uma tentativa de solucionar a polêmica em torno dos planos nucleares iranianos.O representante da AIEA afirmou que continuará dialogando com o governo iraniano nas "próximas semanas".Yavad Vaedi, assessor do principal negociador iraniano, Ali Larijani, afirmou que em 60 dias o Irã e a AIEA tentarão conseguir um "plano-marco" sobre a solução das "questões pendentes" no caso nuclear. Heinonen, citado pela agência de notícias iraniana Irna, confirmou o prazo, e disse que houve "um acordo sobre algumas questões". "Já determinamos as prioridades em nossas negociações, e continuaremos as conversas durante as próximas semanas", acrescentou, depois de pedir ao Irã que intensifique sua colaboração com a AIEA, para "fazer desaparecerem as ambigüidades".Sobre a insistência do Irã em que seu caso nuclear seja tratado pela AIEA e não pelo Conselho de Segurança da ONU, o subdiretor disse que "a volta do caso (à AIEA) depende do Conselho, já que esta é uma organização que tem suas próprias leis e princípios".Vaedi disse que as conversas têm sido "boas", e confirmou o acordo "sobre as questões preliminares". "As negociações giravam em torno da redação de um ´plano-marco´ para tratar dos assuntos pendentes, e fizemos um progresso bom e construtivo", disse o diplomata iraniano.Ele destacou que o diálogo será desenvolvido separadamente do que acontece entre Ali Larijani e o alto representante da Política Externa da União Européia (UE), Javier Solana.Solana, que se reuniu pela última vez com Larijani no dia 23 de junho em Lisboa, afirmou nesta quinta em Paris que espera encontrar de novo o negociador iraniano "nas próximas semanas".Na quarta-feira, Vaedi pediu que o Ocidente não tome "medidas que possam estragar a aplicação do ´plano-marco´". A reivindicação fez referência às pressões de algumas potências ocidentais para que o Conselho torne mais rígidas as sanções contra o Irã, pela recusa em suspender o enriquecimento de urânio.O presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, considera que o enriquecimento é "um direito do povo iraniano". Na quarta-feira, ele reiterou que seu país defende o diálogo, mas que "não renunciará a seus direitos legítimos".

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.