AIEA diz que investigações na Síria começaram bem

As investigações do órgão inspetornuclear da ONU na Síria "começaram bem" e foi possível coletaramostras extensas do local, disse o chefe da equipe naquarta-feira. Olli Heinonen, falando a repórteres em sua volta a Vienadepois de quatro dias na Síria, disse que a sua equipe coletouamostras de "muitas coisas" no local onde Washington afirmouque Damasco construía um reator posteriormente destruído por umataque aéreo israelense, em setembro do ano passado. "Em muitos aspectos, conseguimos o que queríamos... Econcordamos em fazer...esta primeira viagem", disse ele,acrescentando que ainda é cedo para conclusões sobre o queIsrael bombardeou. A Síria diz que trata-se apenas de umaconstrução militar comum. "Foi um bom começo, um bom começo", disse Heinonen,diretor-geral da Agência Internacional de Energia Atômica(AIEA). Perguntado sobre se sua equipe de apenas três inspetoresconseguiu ver tudo o que queria, além de conversar comautoridades sírias relevantes apesar dos relatóriosdiplomáticos que diziam que suas chances de interrogá-losseriam limitadas, ele disse: "sim, muito, mas ainda há trabalhoa ser feito. Ainda vai levar um tempo". "Coletamos as amostras que precisávamos e agora é hora deanalisá-las e checar as informações que temos da Síria. Vamoscontinuar nossas discussões com os colegas sírios. Nada mais,nada menos do que isto". Heinonen disse não saber quanto tempo ele levará para obteros resultados das amostras. Ele acrescentou que um retorno ao país não foi agendado.Mas diplomatas próximos à AIEA disseram que o órgão teria defazer mais missões para desvendar o mistério. Analistas nucleares da ONU dizem que as imagens de satélitemostram que os sírios removeram escombros e construíram um novoprédio no local destruído pelos israelenses -- uma possíveltentativa de acobertar algo. A AIEA mandou sua equipe depois de receber dos EstadosUnidos fotos do local. O fato levou a agência a colocar a Síriana sua lista de países cuja proliferação nuclear deve seranalisada. A agência critica os EUA por esperar tanto para relatarsuas suspeitas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.