AIEA pede aos membros pagamento de custos extras de acordo nuclear com Irã

A agência da Organização das Nações Unidas (ONU) de supervisão de atividades atômicas disse nesta sexta-feira que precisará de dinheiro extra dos Estados membros para custear o gasto de 6 milhões de euros (8,2 milhões de dólares) para verificação de um histórico acordo nuclear entre o Irã e seis potências mundiais.

FREDRIK DAHL, Reuters

17 de janeiro de 2014 | 19h56

A Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) terá um papel crucial na checagem do cumprimento da parte do Irã no acordo provisório. O país terá de frear sua controversa atividade de enriquecimento de urânio em troca de alívio parcial nas sanções internacionais que estão prejudicando seriamente sua economia, dependente de petróleo.

A implementação do pacto de seis meses - assim formatado para dar tempo às negociações de um acordo final para a disputa nuclear de uma década - deve começar na segunda-feira.

Israel, Estados Unidos e outros países ocidentais suspeitam há muito tempo que o Irã esteja usando seu programa de energia nuclear como fachada para o desenvolvimento de armas atômicas. O Irã nega essa acusação e afirma que seu objetivo é produzir energia elétrica.

O conselho da AIEA, formado por 35 países, realizará uma reunião extraordinária no dia 24 para discutir o aumento da carga de trabalho da agência em decorrência do acordo provisório entre o Irã e EUA, França, Grã-Bretanha, China, Alemanha e Rússia.

Tudo o que sabemos sobre:
IRANUCLEARAIEA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.