Al-Qaeda do Iraque nega planejar atentados terroristas durante a Copa

Grupo nega por nota na internet acusações do governo iraquiano feita dias antes

EFE

25 Maio 2010 | 10h11

CAIRO - A Al-Qaeda no Iraque negou nesta terça-feira, 25, as informações difundidas pelas autoridades iraquianas de que o grupo terrorista supostamente planejava atentados na África do Sul durante o Mundial de Futebol após a prisão de dois de seus dirigentes.

 

Veja também:

especialEspecial: As franquias da Al-Qaeda

 

"Desmentimos todas estas informações prontamente", assegura o grupo em uma nota divulgada em vários sites islâmicos e intitulada "Desmentindo as novas alegações do governo (iraquiano) da 'Zona Verde'", em Bagdá.

 

"Ninguém pensava que a imaginação deles (do governo iraquiano) e suas ambições de segurança se estenderiam a Johannesburgo e ao Mundial da África do Sul", diz o texto, assinado pelo Ministério da Informação do "Estado Islâmico do Iraque", grupo dominado pela Al-Qaeda.

 

No último dia 17, o porta-voz do Plano de Segurança de Bagdá, o general Qasim Atta, anunciou em uma conferência de imprensa a detenção de dois integrantes da Al-Qaeda no Iraque, um argelino e outro de nacionalidade saudita, que ao que parece haviam mencionado a possibilidade de perpetrar atentados durante a Copa do Mundo de futebol da África do Sul em coordenação com o "número dois" da Al-Qaeda, Ayman al Zawahiri.

 

"Os mentirosos do governo da Zona Verde anunciaram recentemente uma série de conquistas na segurança, em alguns dos quais alegaram que haviam detido pessoas que descreveram como dirigentes e integrantes do Estado Islâmico do Iraque", afirma na nota.

 

No país operam vários grupos terroristas de distintas tendências, ainda que os atentados mais sangrentos sejam reivindicados pelo Estado Islâmico do Iraque.

Mais conteúdo sobre:
Iraque Al-Qaeda Copa do Mundo terrorismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.