Al Qaeda muda táticas no Iraque, diz general dos EUA

Uma onda de ataques recentes na provínciade Diyala no Iraque indicam mais uma mudança de táticas da alQaeda do que um aumento da violência, disse o comandante dasforças norte-americanas no norte do Iraque no sábado. Ao norte de Diyala, a polícia afirma que pelo menos oitopessoas foram mortas no que uma testemunha da Reuters afirmaser um ataque suicida com carro-bomba em uma refinaria depetróleo na cidade de Baiji. Com diversidade religiosa e étnica, Diyala se tornou um dosepicentros da violência no Iraque, após sunitas islâmicos da alQaeda e outros combatentes serem empurrados da província deAnbar, Bagdá e outras áreas por operações de segurança nesteano. Pelo menos 61 pessoas foram mortas e 90 ficaram feridas naúltima semana em cinco grandes ataques na província. "Nós não vemos um aumento de ataques", disse omajor-general Mark Hertling por e-mail à Reuters. "O que nósvemos é a ocorrência de diferentes tipos de ataques",acrescentou, referindo-se ao uso de coletes suicidas e ataques"desesperados" contra unidades da polícia local. Na sexta-feira, uma mulher vestindo um colete comexplosivos matou 16 pessoas na cidade de Muqdadiya, em Diyala,em um ataque contra ex-militantes sunitas que se juntaram àsforças de segurança contra a al Qaeda. Outros 10 membros das forças iraquianas foram mortos emoutro ataque na sexta-feira ao norte de Muqdadiya, segundoautoridades de segurança. A violência no Iraque caiu em 55 por cento desde que oreforço de 30.000 membros às tropas dos EUA foi enviado emmeados de junho. Um grupo militante ligado à al Qaeda enviou uma ameaçanesta semana prometendo uma onda de ataques com carros-bomba. Em Baiji, 180 quilômetros norte de Bagdá, 40 pessoas foramferidas em uma ataque por carro-bomba à residência de umaautoridade antiterrorismo, segundo testemunhas. Um cinegrafistada Reuters disse que 11 carros foram destruídos e 15 casasdanificadas pela explosão. No sul do Iraque, um líder local do movimento xiitaantiamericano do clérigo Moqtada al-Sadr foi morto junto de suaesposa e dois filhos, em uma explosão em sua casa que, segundoa polícia, pode ter sido causada por uma bomba.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.