Ala anti-americana abandona coalizão do governo do Iraque

O movimento político leal ao clérigoanti-americano Moqtada al-Sadr abandonou a Aliança Xiita quegoverna o Iraque no sábado, deixando a coalizão doprimeiro-ministro Nuri al-Maliki em posição precária noParlamento. A iniciativa enfraquece a coalizão, que, mesmo antes daderrota, não conseguiu aprovar leis que pretendiam areconciliação da maioria xiita com a minoria sunita. O governo de Maliki agora tem o apoio de cerca de metadedos 275 deputados iraquianos. Existe ainda a chance desobrevivência, caso mantenha o apoio de alguns deputadosindependentes. "O comitê político declarou a saída do bloco Sadr daaliança, pois não há indicação visível de que as exigências dobloco Sadr estejam sendo cumpridas", disse o movimento Sadr emnota divulgada na cidade sagrada xiita de Najaf. Um assessor de Maliki disse que o governo não comentariaimediatamente. A decisão do movimento Sadr de abandonar a Aliança Xiita noParlamento não foi uma surpresa. O líder do movimento já haviaretirado seis de seus ministros do Gabinete em abril. Maliki ainda conta com o apoio de outros partidos xiitasislâmicos e dos dois principais partidos curdos do Parlamento.Até o momento, nenhum partido pediu um voto de desconfiançacontra seu governo. Sadr foi uma grande influência para que Maliki, que tambémé xiita, fosse indicado a primeiro-ministro em maio do anopassado. Seu bloco político sofreu várias derrotas nesse período,incluindo a recusa de Maliki de estabelecer um prazo para aretirada das forças dos Estados Unidos do Iraque. Sadr, um nacionalista exaltado, liderou sua milícia armadaMehdi em dois levantes contra as forças dos EUA em 2004. O governo de Maliki está paralisado por divisões internas.Além da saída dos ministros leais a Sadr, seis membros doministério do bloco sunita também saíram do governo. Falando no Parlamento na segunda-feira, Maliki reconheceuque o termo "governo de unidade nacional" havia perdido osignificado. Dando indicações de uma futura reforma no ministério, eledisse que já era tempo de um "governo de parceria", mas nãoentrou em detalhes. No dia seguinte, o movimento Sadr disse que estavaconsiderando a saída da aliança, acusando-a de fracassar naquestão de segurança e no progresso político. As críticas ao governo de Maliki também vêem de Washington.O presidente George W. Bush, falando na quinta-feira, disse queele teve limitado progresso, apesar do espaço oferecido pelastropas norte-americanas e do melhor nível de segurança. Em um relatório enviado ao Congresso, a Casa Branca afirmouna sexta-feira que os líderes iraquianos fizeram satisfatórioprogresso apenas em nove de 18 metas estabelecidas pelos EUA.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.