Alemanha quer retirar tropas do Afeganistão em 4 anos

Missão tem sido alvo de críticas após ataque ordenado por militares alemães que acabou com morte de civis

Agência Estado, com Associated Press

13 de setembro de 2009 | 13h44

O Ministério das Relações Exteriores da Alemanha está planejando retirar suas tropas militares do Afeganistão nos próximos quatro anos, de acordo com reportagem publicada pela revista semanal Der Spiegel neste domingo, 13. A controversa missão militar alemã no Afeganistão tem mais de 4,2 mil soldados, e tem sido alvo de críticas crescentes depois do bombardeio de 4 de setembro, em Konduz, ordenado por militares alemães e no qual houve várias vítimas civis.

 

Veja também:

linkBombardeio mata cerca de 50 talebans no Afeganistão

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

A reportagem do Der Spiegel saiu duas semanas antes das eleições alemãs, nas quais o Ministro do Exterior, Frank-Walter Steinmeier, disputará contra a atual chanceler Angela Merkel. Alguns partidos da oposição alemã já dizem que a matéria na revista não passa de manobra política. "Não precisamos de manobras de campanha política. Precisamos de um plano sólido de reconstrução e de perspectivas para uma retirada a partir de 2013," disse Juergen Tritten, do Partido Verde.

Na semana passada, Angela Merkel concordou com líderes franceses e britânicos sobre a necessidade de se fazer uma conferência internacional sobre o Afeganistão. O Ministério das Relações Exteriores afirmou que a conferência "não pode apenas tratar de objetivos vagos" e deve incluir na pauta o treinamento de forças locais para a retomada do controle do país.

Tudo o que sabemos sobre:
AlemanhaAfeganistãoguerratropas

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.