Aleppo, na Síria, tem trégua para permitir recolhimento de corpos

Rebeldes e forças governamentais da Síria respeitaram nesta terça-feira uma trégua na cidade de Aleppo, a primeira em vários meses, para permitir a retirada de 31 corpos em putrefação na linha de frente.

Reuters

16 de abril de 2013 | 20h09

Funcionários do Crescente Vermelho e de um conselho oposicionista local foram de carro até os limites do bairro proletário de Al Sakhour, na zona norte da cidade, para resgatar os mortos, incluindo muitos civis alvejados por francoatiradores, segundo ativistas e combatentes rebeldes.

O Centro de Mídia de Aleppo disse que a maioria dos cadáveres, entre os quais havia crianças, já estava em decomposição. Alguns passaram meses estirados nas ruas ou entre edifícios. Três corpos foram achados com mãos atadas e quatro estavam carbonizados, segundo os ativistas.

"Eles estavam caídos na terra de ninguém, e apodrecendo. Com o tempo mudando (a aproximação do verão), acho que o outro lado estava preocupado com a difusão de doenças e autorizou a trégua", disse um comandante rebelde.

(Reportagem de Khaled Yacoub Oweis)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIATREGUACORPOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.