Ehsan Naderipour/Reuters
Ehsan Naderipour/Reuters

Americanos libertados de prisão iraniana chegam a Omã

Presidente Ahmadinejad aprovou soltura deles para melhorar relações internacionais

estadão.com.br,

21 Setembro 2011 | 13h48

MASCATE, OMÃ - Os dois cidadãos americanos que estavam presos no Irã sob acusação de espionagem desembarcaram nesta quarta-feira, 21, em Omã, segundo a AP. Shane Bauer e Josh Fattal ficaram detidos por quase 26 meses desde que foram encontrados na região da fronteira iraniana com o Iraque em 31 de julho de 2009, onde, dizem, estavam fazendo uma caminhada.

 

No mês passado, a dupla havia sido condenada a oito anos de prisão pela entrada ilegal no Irã e por espionagem. Na última semana, porém, o presidente iraniano, Mahmoud Ahmadinejad, declarou que eles seriam libertados por motivos humanitários. O gesto parece ter como objetivo melhorar as relações internacionais do estadista, que deve se pronunciar na reunião da Assembleia-Geral da ONU, em Nova York, na quinta-feira.

 

De acordo com o Judiciário do Irã, a fiança para cada um dos americanos detidos foi fixada em 5 bilhões de rials (cerca de R$ 684 mil). A Reuters chegou a dizer mais cedo que, segundo testemunhas, os dois haviam partido para o aeroporto de Teerã em um comboio escoltado por autoridades, incluindo o embaixador da Suíça.

 

A agência estatal iraniana de notícias Irna havia informado que os dois já haviam saído do país, mas depois corrigiram a notícia, com o advogado deles negando que eles já houvessem partido. "Eles ainda não deixaram o Irã... Estamos esperando no aeroporto até que eles saiam", disse Masoud Shafie à Reuters no aeroporto Mehrabad.

 

"Este é o dia mais maravilhoso de nossas vidas", disseram familiares dos dois ex-prisioneiros em um comunicado. "A alegria e o alívio que sentimos não têm limites". No documento, os parentes também agradecem ao sultão do Omã, Qaboos bin Said al-Said, e ao embaixador suíço que integrou o comboio de autoridades que viajou junto com Bauer e Fattal.

 

Com AP, Efe e Reuters

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.