Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Análise: Hamas delira, e o governo de Israel expõe sua fraqueza

Facção tenta incitar opinião pública contra administração israelense, pressionada internamente para reagir

Marcos Guterman, do estadao.com.br,

01 de março de 2008 | 10h54

As imagens dos feridos e mortos nos bombardeios israelenses a Gaza mostram sofrimento e dor de civis, mas a mensagem subjacente é outra: o Hamas foi longe demais e está fazendo seus seguidores pagarem o preço de sua visão distorcida do mundo.   Há semanas o grupo terrorista que governa Gaza ataca impiedosamente áreas civis em cidades israelenses na fronteira com o território. A administração de Israel, em razão de seus compromissos diplomáticos com os palestinos, assumidos com o aval dos EUA e de outras potências, vinha evitando uma ação de maior envergadura para conter esses bombardeios. Mas a pressão interna para agir chegou a níveis críticos, e Israel decidiu fazer o que qualquer país do mundo faria: contra-atacar. A questão agora é saber até onde vai a escalada do conflito.   O ministro da Defesa de Israel, Ehud Barak, já sugeriu que a invasão e a reocupação de Gaza estão sendo cogitadas de modo bastante sério. Há enorme controvérsia entre os israelenses sobre se esse tipo de manobra seria oportuna e factível, mas o certo é que não seria surpresa ver os tanques israelenses cruzando a fronteira. O atual governo de Israel, que carece de estadistas, tem se mostrado muito permeável à opinião pública interna, e isso pode acabar levando a decisões intempestivas. Seja como for, Barak e outros ministros já estão fazendo intensos contatos diplomáticos para obter apoio internacional. É, parece, questão de tempo.   Do lado do Hamas, a opção por fustigar Israel coroa uma série de erros cometidos pelo grupo, sobretudo na arena internacional. Sua intransigência, motivada por uma interpretação equivocada do cenário, acabou por acentuar seu isolamento. Apenas Síria e Irã lhe dão apoio explícito. Disso resulta que o cerco feito por Israel a Gaza não tem provocado reações contundentes de censura, salvo as de praxe.   Entre os palestinos, cresce a sensação de que o Hamas trocou os pés pelas mãos e ameaça arruinar o pouco de civilização que resta em Gaza. Há inclusive denúncias de que o grupo dá apenas a seus militantes a ajuda humanitária que deveria ser distribuída a todos. Desse modo, a popularidade do Hamas está rapidamente se transformando em desgosto. Para a sorte do grupo, porém, o ódio a Israel é ainda maior, o que deve lhe dar ainda um pouco mais de combustível para continuar errando.

Tudo o que sabemos sobre:
IsraelGazaHamaspalestinos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.