Antiguidades são saqueadas no Egito

Um funcionário do depósito disse que os saqueadores afirmavam estar à procura de ouro

REUTERS

31 de janeiro de 2011 | 10h29

   

 

ISMAILIA, EGITO - Vários depósitos de antiguidades egípcias foram saqueados e tiveram peças furtadas ou danificadas, disseram funcionários e arqueólogos nesta segunda-feira, 31, em meio aos protestos contra o regime do presidente Hosni Mubarak.

 

Veja também:

especialInfográfico:  A revolução que abalou o mundo árabe

blog Tempo Real:  Chacra acompanha a situação no Egito

Um grupo saqueou um depósito no museu Qantara, perto de Ismailia, cidade à beira do canal de Suez, segundo uma fonte da polícia turística. O local continha 3.000 objetos dos períodos romano e bizantino.

Muitas das peças haviam sido encontradas na península do Sinai por israelenses, depois da ocupação da região por Israel, na guerra de 1967. Só recentemente eles haviam sido devolvidos ao Egito.

 

Um funcionário do depósito disse que os saqueadores afirmavam estar à procura de ouro. O funcionário explicou que não havia ouro no local, mas os saqueadores não desistiram - quebraram alguns itens e levaram outros embora.

Um arqueólogo disse que depósitos perto das pirâmides de Saqqara e Abu Sir também foram saqueados.

"Em outros locais, guardas e moradores conseguiram repelir gangues de saqueadores", disse essa fonte.

Na sexta-feira, saqueadores invadiram o Museu do Cairo, sede de uma das maiores coleções mundiais de tesouros faraônicos. Duas múmias e várias estátuas foram danificadas, segundo as autoridades.

Tudo o que sabemos sobre:
EGITOANTIQUARIOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.