Ao menos 100 morrem em confronto nos arredores de Trípoli, diz Al-Jazira

Cresce o número de cidades controladas por manifestantes; oposição se prepara para tomar a capital

Efe

24 de fevereiro de 2011 | 07h24

Atualizada às 12h45

 

A revolta popular contra o ditador líbio, Muamar Kadafi, chegou aos arredores de Trípoli, nesta quinta-feira, 24. Manifestantes pró-democracia já dominam as cidades de Misurata e Zuara.  Az-Zauiya, a 50 km da capital, que havia caído nas mãos dos manifestantes, foi invadida por mercenários armados contratados por Kadafi. Ao menos 100 pessoas morreram. Há luta também pelo controle de Sabha e Sabrata , segundo a rede de TV árabe Al-Jazira.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia

documento Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado

especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

blog Radar Global: Os mil e um nomes de Kadafi

lista Análise: Hegemonia de Kadafi depende de Exército fraco

                                                         

 

Em az-Zauiya, várias pessoas morreram e pelo menos 50 ficaram feridas após mercenários tentarem retomar o controle da cidade.

 

Testemunhas disseram ter visto a movimentação de tanques nos subúrbios da cidade, assim como a invasão de residências por forças de segurança do governo a fim de prender opositores.

Após o ataque, dezenas de milhares de pessoas saíram às ruas, entre elas várias mulheres, para protestar contra essa ação e combater os agressores.

 

Batalha por  Trípoli

Forças pró e contra o governo na Líbia dão sinais de se preparar para uma batalha em Trípoli, depois que a oposição passou a controlar outras das principais cidades na costa do país.  Relatos indicam que a capital está sendo patrulhada por grupos fortemente armados a favor do governo, incluindo milícias que se deslocam pela cidade em veículos.

 

Trípoli continua sendo uma espécie de bastião do regime de Muamar Khadafi, depois que a segunda e a terceira cidades do país, Benghazi e Misurata, foram tomadas pela oposição, assim como outras cidades na costa do Mar Mediterrâneo, como Sabratha e Zawiya.

Em Benghazi, sob firme controle da oposição, havia filas para distribuir armas roubadas da polícia e do Exército com a finalidade de iniciar o que o repórter da BBC Jon Leyne chamou de "batalha por Trípoli".

Leia ainda:

linkBrasileiros vindos da Líbia chegam a SP

linkUE trabalha em plano de contingência militar

linkRepressão cria êxodo de milhares

linkWikiLeaks revela extravagâncias da família Kadafi

 

Com Efe, Reuters e BBC Brasil

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAOESTECIDADE*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.