Após ataques, Kirkuk e Bagdá impõem toque de recolher

Quatro atacantes suicidas matam pelo menos 57 pessoas e ferem quase 300 pessoas nesta segunda-feira

Agências internacionais,

28 de julho de 2008 | 14h55

As autoridades iraquianas declararam toque de recolher em Bagdá e em Kirkuk após os atentados perpetrados nesta segunda-feira, 28, nas duas cidades, informou a agência de notícias independente iraquiana Aswat al-Iraq. Os ataques deixaram pelo menos 47 mortos e quase 300 feridos.   Veja também: Atentados matam 57 e ferem quase 300 no Iraque   Três mulheres-bomba mataram 32 pessoas e feriram outras 102 quando detonaram explosivos nas ruas de Bagdá, em meio a uma procissão realizada por xiitas. Em Kirkuk, um homem-bomba matou 25 pessoas e feriu outras 185 em uma manifestação contra uma polêmica lei eleitoral, afirmaram autoridades iraquianas das áreas de saúde e segurança. Os ataques fazem desse um dos dias mais sangrentos dos últimos meses no Iraque e chamam atenção para a fragilidade dos recentes avanços realizados no país, onde o número de incidentes violentos encontra-se em seu menor patamar desde o começo de 2004.   Ninguém assumiu a responsabilidade pelas explosões de Bagdá, mas a rede Al-Qaeda, uma organização sunita, já realizou vários ataques contra peregrinos xiitas. A Al-Qaeda passou a usar um número crescente de mulheres em seus atentados suicidas porque as militantes conseguem escapar com maior facilidade das revistas. Somente neste ano, 20 ataques do tipo ocorridos no Iraque foram realizados por mulheres.   Fontes do centro de operações em Bagdá, citadas pela agência, afirmaram que o toque de recolher entrará em vigor na capital e nos seus arredores a partir das 5h (22h desta segunda, horário de Brasília) até as 05h de quarta e afetará apenas veículos e motocicletas. Por outro lado, em Kirkuk fontes policiais explicaram à Aswat al-Iraq que a medida inclui pedestres e veículos, e entrou em vigor às 17h (10h desta segunda, horário de Brasília) até as 7h (00h de terça, horário de Brasília).   Em Bagdá, os atentados alvejaram peregrinos xiitas que se dirigiam para o santuário de Kadhemia, ao norte do país, onde acontece uma cerimônia religiosa anual em homenagem a um imã xiita. Segundo a BBC, os ataques ocorreram quando os comboios passavam pelo distrito central de Kerrada e segundo as autoridades, parecem ter sido realizados por mulheres-bomba.   A capital está sob um forte esquema de segurança por conta da peregrinação. A cerimônia religiosa, que atrai milhares de fiéis, comemora a morte do imã xiita Musa al-Kadhin e irá atingir seu ápice na terça-feira.   O ataque em Kirkuk atingiu manifestantes que faziam uma demonstração contra um projeto de lei para eleições locais na cidade. Kirkuk é motivo de disputa entre árabes, curdos e turcomanos e o projeto de lei provocou aumento da tensão a região. Pouco depois do atentado, um carro-bomba não detonado foi encontrado nas proximidades do local da manifestação. A polícia conduziu uma explosão controlada do veículo. Não houve vítimas.

Tudo o que sabemos sobre:
Iraqueatentados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.