Após confrontos em Gaza, Abbas defende diálogo com Hamas

Fatah e Hamas devem trabalhar juntos, diz líder palestino; choques entre facções dificulta reconciliação

Efe,

03 de agosto de 2008 | 16h09

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, afirmou neste domingo, 3, que o diálogo com o Hamas, opositor ao seu grupo, o Fatah, é "inevitável" para conseguir a unidade dos palestinos. "Não temos outra opção a não ser trabalharmos juntos para aproximar posturas entre nós e o Hamas, grupo que convidamos a aceitar aquilo que é lógico, racional e legal", disse Abbas em coletiva de imprensa após um encontro com o rei Abdullah II da Jordânia.   Veja também: Confrontos entre Hamas e Fatah deixam 9 mortos   Segundo Abbas, não se pode "perder a esperança" de uma reconciliação entre as duas facções palestinas, apesar dos enfrentamentos que estão acontecendo em Gaza e na Cisjordânia entre as forças leais aos dois grupos.   Além disso, o presidente palestino afirmou que o apoio dos países árabes é "indispensável para solucionar esta situação tão perigosa". No mês passado, o Egito anunciou que patrocinará o diálogo entre os palestinos, que visa acabar com a divisão entre as distintas facções, principalmente entre Fatah e Hamas.   Abbas também garantiu que tem a intenção de seguir dialogando com o primeiro-ministro de Israel, Ehud Olmert, apesar de ele deixar o governo do país em setembro. Já o rei Abdullah expressou sua preocupação com os enfrentamentos entre as facções palestinas e pediu que elas retomem o diálogo para resolverem suas divergências, segundo um comunicado oficial.   A situação de violência "afeta a causa palestina e os esforços para a consecução de um Estado palestino", acrescentou o monarca. violência entre o grupo Hamas - que controla a Faixa de Gaza - e o Fatah - que dirige a ANP e domina a Cisjordânia - se intensificou no dia 25 de julho com um atentado em uma praia de Gaza, no qual morreram cinco milicianos do Hamas e uma menina.   O Hamas culpou o Fatah pelo ataque e iniciou uma onda de prisões contra os seguidores do partido de Abbas em Gaza, enquanto na Cisjordânia as forças leais ao Fatah perseguem os partidários do movimento islâmico.   O sábado, 2, foi o dia mais violento, com enfrentamentos entre a polícia do Hamas e o clã Hilles, ligado ao Fatah, na Cidade de Gaza, nos quais nove pessoas morreram e pelo menos 90 ficaram feridas.

Tudo o que sabemos sobre:
HamasFatah

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.