Após derrota em batalha, rebeldes líbios se reagrupam

Erros táticos nos últimos dias seriam responsáveis por recaptura de Al-Qawalish

PETER GRAFF, REUTERS

14 de julho de 2011 | 11h09

Rebeldes líbio cuida de caminhão com artilharia em Al-Qawalish        

 

 

AL-QAWALISH - Combatentes rebeldes líbios preparam na quinta-feira, 14, uma nova ofensiva ao sul de Trípoli, mas erros táticos dos últimos dias geram dúvidas sobre a capacidade deles de avançar até a capital.

 

Veja também:

especialLinha do Tempo: 40 anos da ditadura na Líbia

especialInfográfico: A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia 

 

 

A rebelião contra o regime de Muamar Kadafi começou há cinco meses, e há quase quatro conta com apoio aéreo da Otan. Apesar disso, os rebeldes não conseguiram até agora avançar para a capital, e vários governos ocidentais, frustrados, avaliam a possibilidade de uma negociação para encerrar o conflito.

Comandantes rebeldes na aldeia de Al-Qawalish, cerca de cem quilômetros ao sul de Trípoli, disseram estar concentrando forças e preparando um novo avanço para oeste, na direção da cidade de Garyan, por onde passa uma rodovia que leva a Trípoli.

Mas, na véspera, um grupo de rebeldes que defendia Al-Qawalish ficou sem munição e teve de fugir de um ataque surpresa das forças governistas. Os rebeldes recuperaram a aldeia ao anoitecer, mas perderam sete homens.

A batalha expôs as limitações da força rebelde, que carece de uma cadeia de comando clara e que depende de voluntários civis entusiasmados com a possibilidade de depor Kadafi, mas que têm pouco ou nenhum treinamento militar.

O conflito líbio é o mais prolongado e sangrento dos levantes da chamada "Primavera Árabe", e a capacidade de resistência de Kadafi tem surpreendido os governos ocidentais.

Um representante do governo russo que tenta mediar um acordo entre o regime e os rebeldes disse que o líder líbio está longe de ser derrotado. "Kadafi ainda não usou um só míssil terra-terra, os quais ele possui em bastante quantidade. Isso faz a gente duvidar que o regime esteja ficando sem armas", disse Mikhail Margelov ao jornal Izvestia.

"O primeiro-ministro líbio me disse em Trípoli: 'Se os rebeldes capturarem a cidade, vamos cobri-la de mísseis e explodi-la'. Suponho que o regime de Kadafi tenha de fato esse tipo de plano suicida", disse Margelov.

Tudo o que sabemos sobre:
LIBIAREBELDESREAGRUPAM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.