Rahmat Gul/AP Photo
Rahmat Gul/AP Photo

Após fim do diálogo com Estados Unidos, Taleban se reúne com Rússia

País defendeu retomada das negociações; encontro foi confirmado neste sábado pelo Ministério das Relações Exteriores da russo

Redação, O Estado de S.Paulo

14 de setembro de 2019 | 20h35

Uma delegação do Taleban se reuniu com diplomatas russos em Moscou, na Rússia, após a ruptura do diálogo com os Estados Unidos. A informação foi divulgada pelo Ministério russo das Relações Exteriores neste sábado, 14.

"O representante especial do presidente russo para o Afeganistão (...), Zamir Kabulov, recebeu uma delegação de talebans em Moscou", afirmou um porta-voz do Ministério, citado pela agência pública RIA Novosti, sem especificar a data do encontro.

 

 

Nestas reuniões, "a parte russa destacou a necessidade de se retomar as negociações entre os Estados Unidos e o movimento Taleban", relatou o porta-voz. "Já os talibãs confirmaram sua vontade de continuar um diálogo com Washington", afirmou.

Estes encontros acontecem depois de o presidente americano, Donald Trump, anunciar, na semana passada, sua decisão de abandonar as negociações com os talebans sobre uma progressiva retirada do efetivo militar dos Estados Unidos. Trump reagiu a um novo atentado reivindicado pelos talebans, no qual um soldado americano foi morto em Cabul.

Em um tuíte postado neste sábado, 14, Trump disse que "os talebans nunca foram atingidos mais forte do que agora". 

"Matar 12 pessoas, inclusive um grande soldado americano, não foi uma boa ideia. Há maneiras muito melhores de estabelecer uma negociação. Os talebans sabem que cometeram um grande erro e não têm ideia de como se recuperar!", acrescentou.

O exército dos Estados Unidos está presente desde 2001 no Afeganistão, quando expulsou os talebans do poder. Atualmente, há 13 mil soldados americanos mobilizados neste país.

O acordo negociado entre os talebans e os Estados Unidos previa o início da retirada das tropas americanas em troca de garantias antiterroristas, uma "redução da violência" e negociações diretas de paz com Cabul. Até então, os insurgentes vinham se negando a aceitar estas condições.

Desde o início do ano, a Rússia organizou dois encontros em Moscou entre representantes talibãs e políticos afegãos. Estas reuniões também não avançaram. / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.