Altaf Qadri/ AP
Altaf Qadri/ AP

Após impugnação de votos, Afeganistão realizará 2º turno

Nova votação é marcada para 7 de novembro; presidente diz que decisão 'fortalece caminho para democracia'

estadao.com.br,

20 de outubro de 2009 | 10h48

A comissão eleitoral do Afeganistão divulgou nesta terça-feira, 20, que marcou a realização de um segundo turno no país para o dia 7 de novembro. O presidente da Comissão Eleitoral Independente, Azizullah Lodin, disse que a entidade "não quer deixar o povo do Afeganistão na incerteza" por mais tempo. Segundo ele, os materiais necessários para a nova votação já estão prontos. "A comissão concordou em realizar um segundo turno e diz que ninguém conseguiu 50%" dos votos, afirmou.

 

Veja também:

especial 30 anos de violência e caos no Afeganistão

link Comissão anula votos de Karzai no Afeganistão

 

O presidente afegão, Hamid Karzai, classificou a decisão como legal e constitucional. "Acreditamos que a decisão da Comissão Eleitoral Independente é legítima, legal e constitucional e que fortalece o caminho para a democracia", disse Karzai em declarações a uma TV afegã.

 

O controverso primeiro turno das eleições afegãs ocorreu em 20 de agosto. Houve diversas denúncias de fraudes. Uma comissão apoiada pela Organização das Nações Unidas (ONU) recomendou, após investigação, a impugnação de centenas de milhares de votos. Com isso, Karzai não obteve mais de 50% dos votos, forçando uma disputa entre ele e o ex-ministro das Relações Exteriores Abdullah Abdullah.

 

 

Um grupo de monitores independentes, chamado Democracia Internacional, calculou que Karzai tenha ficado com 48,3% dos votos - cerca de 2,1 milhões de votos -, depois de ter mais de 995 mil de seus votos anulados por fraude. De uma maneira geral, cerca de 1,3 milhões dos mais de 5 milhões de cédulas foram invalidadas. Cerca de 201 mil dos votos de Abdullah também foram anulados, mas seu porcentual aumentou de 27,8% para 31,5%.

 

 

 

Em entrevista à CNN, Abdullah disse na segunda-feira, 19, que "as portas estão abertas" para uma negociação que poderia resultar em um governo de união. Segundo a agência estatal chinesa Xinhua, no entanto, um porta-voz do ex-ministro afirmou que ele não pretende integrar uma coalizão.

 

Obama elogia decisão de Karzai

 

O presidente dos Estado Unidos, Barack Obama, afirmou nesta terça-feira que a decisão do presidente afegão de aceitar a realização de um segundo turno foi um passo chave no "processo de credibilidade" do país. Em comunicado, Obama afirmou: "As ações construtivas do presidente Karzai estabeleceram um importante precedente para a nova democracia do Afeganistão". O senador norte-americano John Kerry também qualificou o segundo turno como "uma grande oportunidade".

Obama aguarda a decisão das eleições para decidir sobre a estratégia para as tropas norte-americanas no país. O comandante Stanley McChrystal pede mais soldados, mas ainda não há decisão sobre o tema. Na véspera da divulgação do resultado das investigações, o governo de Obama havia colocado pressão sobre Karzai e anunciado que só enviará mais tropas ao Afeganistão após a crise eleitoral ser resolvida. Com informações da Dow Jones.

 

Texto atualizado às 11h50

 

(com AP e Reuters) 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.